Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Cálice romano com imagens homoeróticas principal atracção de exposição no Reino Unido

Foi até recentemente considerado indecoroso para ser exposto, mas desde a semana passada está patente na Universidade de Nottingham. Trata-se da Taça Warren, um cálice de prata do período romano decorado com cenas de amor homossexual.

O objecto será a peça central da exibição “Sexualidade Romana: Imagens, Mitos e Significados” que vai reunir uma grande variedade de artefactos e imagens da arte romana. A exposição leva-nos numa viagem pelas atitudes da época Vitoriana, passando por todos os aspectos do amor e sexo no mundo romano incluindo, Deuses, Deusas e mitos associados à sexualidade.

Segundo Paul Roberts, do Museu Britânico, local onde o cálice habitualmente está exposto, “quando pensamos em Romanos, vem-nos logo à ideia gladiadores, imperadores e soldados, mas esta exposição centra-se nas pessoas comuns e numa parte fundamental das suas vidas. Há uma grande diferença entre o que os autores da época escreviam sobre sexo e o que objectos como a Taça Warren nos mostram. Estes objectos, e as reacções das pessoas, também nos fazem pensar nas questões da sexualidade na nossa sociedade.”

A Taça Warren data de cerca 15 A.C. – 15 D.C. e julga-se ter sido encontrada em Bittir, perto de Jerusalém. O nome Warren deve-se ao coleccionador norte-americano Edward Warren que a adquiriu em 1911. Após da morte de Edward Warren, o cálice foi oferecido sem sucesso a várias instituições, incluindo o Museu Britânico, mas era considerado demasiado explícito sexualmente. Em 1953 o cálice foi, inclusive, recusado nos EUA por ofender a sensibilidade de um oficial da alfândega.

Foi apenas em 1999, após mudanças consideráveis na lei e na atitude do público relativamente à homossexualidade, que o cálice passou a fazer parte do espólio do Museu Britânico, onde é actualmente é uma das peças mais apreciadas.
Os Romanos estavam mais à vontade com imagens de natureza sexual do que muitas outras culturas. A arte romana, desde objectos de luxo como a Taça Warren, a quadros, esculturas e objectos do dia-a-dia, estava repleta de representações do corpo humano e de momentos de intimidade. Tal como os Gregos, os Romanos acreditavam que a sexualidade era pautada por várias divindades, incluindo Vénus, deusa do amor, Baco, deus do vinho e fertilidade, tendo sido por isso frequentemente representados na arte e mitologia romana.

A exposição também contém outros objectos que aos olhos modernos podem parecer sexuais mas que para os Romanos tinham significados ligados a fertilidade, superstição e humor. Entre estes objectos contam-se partes do corpo humano como ventres ou seios, figuras demonstrando o acto do nascimento ou mães a amamentar, que na época eram usados como oferendas. Imagens do falo eram feitos de diversos materiais incluindo ouro, bronze, cerâmica, osso e coral. Estatuetas, placas, mosaicos e joalharia eram usados para proteger negócios, lares, crianças e até animais.


Em exposição até 10 de Abril de 2011. Entrada grátis. Mais informação: www.lakesidearts.org.uk/Exhibitions.html

Lúcia Vieira