Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

GRIT autonomiza-se da ILGA Portugal: "só as pessoas transexuais têm a capacidade e legitimidade para trabalhar e se pronunciarem em seu nome"

GRIT

O GRIT - Grupo de Reflexão e Intervenção sobre Transexualidade anunciou esta segunda-feira a desassociação da Associação ILGA Portugal, "dentro da qual tem desenvolvido o seu trabalho desde há mais de quatro anos, constituindo-se como unidade autónoma e independente", pode ler-se em comunicado.

No mesmo comunicado o GRIT afirma-se como o primeiro e único grupo português dedicado exclusivamente à luta pela igualdade e pelos direitos da população transexual, e constituído apenas por pessoas transexuais.
O recente reconhecimento  identidade e cidadania, através da criação de uma Lei de Identidade de Género, entretanto vetada pelo Presidente da República deu o mote ao passo para a autonomia deste grupo da mais antiga associação de defesa dos direitos da população LGBT em Portugal.
O grupo reclama igualdade a nível social e laboral, no acesso a bens, serviços e educação, bem como cuidados de saúde mais eficazes e céleres. Por outro lado, o comunicado assinado por Luísa Reis e Júlia Mendes que encabeçam um grupo composto já por doze homens e mulheres transexuais, defende que "só um activismo voltado exclusivamente para as necessidades e direitos da população transexual conseguirá alcançar todos estes objectivos, porque "sabemos que só as pessoas transexuais têm a capacidade e legitimidade para trabalhar e se pronunciarem em seu nome. Queremos dar-lhes o espaço onde, em contraste com outros, elas se sintam capacitadas e empoderadas para o fazer."

3 comentários

Comentar