Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

2016 em 10 filmes (mais ou menos) LGBTI

 filmes 2016.png

Este ano houve filmes para todos os gostos e sabores, apesar das poucas estreias comerciais em Portugal de filmes com conteúdos LGBTI. Os visionamentos passaram, sobretudo, pelos festivais e mostras de cinema. A escolha foi difícil mas eis que chegámos aos 10 filmes que marcaram o ano. Os filmes foram listados por ordem alfabética. 


“Absolutely Fabulous: The Movie” (2015), de Mandie Fletcher 

Edina e Patsy vêem-se envolvidas numa sucessiva descida aos infernos da moda. Não é uma obra-prima mas foi um dos acontecimentos cinematográficos do ano no Reino Unido. O regresso da dupla de sucesso da série homónima da BBC não é champanhe nem é vodka, é um conjunto de gags e sketches num cocktail fácil de ver. Foi o filme de abertura do Queer Lisboa 20.

 


"Arianna" (2015), de Carlo Lavagna 

A descoberta do amor, de nós próprios, num tempo de Verão, em que a vida é fácil e bela. A primeira longa-metragem realizada directamente para cinema de Lavagna é tão poética quanto esta breve descrição. O filme passou na 9.ª edição do 8½ Festa do Cinema Italiano e arrebatou corações.

 

“Cruzeiro Seixas – As Cartas do Rei Artur” (2015), de Cláudia Rita Oliveira 

Artur do Cruzeiro Seixas através de 95 anos de pintura e poesia. Foi “o” filme do DocLisboa deste ano. Cláudia dá-nos um dos filmes portugueses mais belos de 2016. A pintura, a poesia e os aforismos surrealistas são o mote para contar uma profunda história de amor e fazer jus ao autor (não) esquecido.


“Desde Allá” (2015), de Lorenzo Vigas 

A relação entre um homem abastado e um adolescente líder de um gangue criminoso. O venezuelano Lorenzo Vigas conseguiu o feito de sair do Festival de Veneza de 2015 com o desejado Leão de Ouro. Para uma primeira obra é… obra. O filme pôde ser visto no 13.º IndieLisboa.

 

“Looking: The Movie” (2016), de Andrew Haigh 

O regresso de Patrick a São Francisco para os braços dos amigos que deixou e ir a um casamento. Em 2015 o canal HBO terminou abruptamente uma das séries mais promissoras do mundo LGBTI dos últimos anos. De forma a compensar os fãs que ficaram órfãos trouxe este ano um telefilme romântico e fofinho sem grandes rasgos de argumento. É, mesmo assim, um dos filmes de 2016. Foi o filme de encerramento do Queer Lisboa 20.

 

“Love Is Strange – O Amor É Uma Coisa Estranha” (2014), de Ira Sachs 

O amor puro e belo na terceira idade, aliado às dificuldades da vida, num momento de crise financeira e angústia. O penúltimo filme de Ira Sachs esteve para estrear várias vezes em 2015 e acabou por exibido comercialmente este ano. Merece uma vez mais o nosso destaque, agora que está quase a estrear, ao que tudo indica em Janeiro, o novo filme de Sachs, “Homenzinhos” (“Litle Men”, 2016)

 

“O Ornitólogo” (2016), de João Pedro Rodrigues 

A adaptação muito livre e quase que autobiográfica da história de Santo António de Pádua (e de Lisboa). Vencedor do prémio de Melhor Realização em Locarno, era um dos filmes portugueses mais aguardados do ano. A alegoria da vida e da morte de um santo, personificado na voz do próprio realizador oscilou entre o amor e a desilusão dos críticos e fãs da obra de JPR.


“Raman Raghav 2.0” (2016), de Anurag Kashyap 

O percurso aterrorizador de um serial killer e a sua estranha obsessão com o jovem polícia que o tenta capturar. Ora aqui está um filme incomum do cinema de Bollywood e das películas que habitualmente se encontra no MOTELx. Uma estranha história de libertação e amor são a base desta estranha obra de terror.

 

“Rara” (2016), de Pepa San Martín 

Duas meninas, duas crianças, duas irmãs são o centro de um processo judicial pela sua guarda. O amor dos pais às vezes é cego e tolda a razão não os deixando ver para lá de si mesmo. A beleza deste filme reside na simplicidade da história que, não sendo simplista, nos explica o que é o amor parental e o que lhe está associado. Vencedor do prémio de Melhor Actriz (Julia Lübbert) na 20.ª edição do Queer Lisboa.


"Tchindas" (2015), de Pablo García Pérez de Lara e Marc Serena 

A história das heroínas atípicas de São Vicente, Cabo Verde. Um nome que passou a designar toda a comunidade LGBTI. Começou logo a dar que falar no final do ano passado com o prémio para Melhor Documentário no Cape Verdean American Film Festival 2015. Por cá pôde ser visto no Queer Lisboa 20. No seu ritmo próprio, vagaroso como o das ilhas que compõem o país, mostra o dia-a-dia das tchindas e a realidade da população.

 


Luís Veríssimo