Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Uma linha telefónica de apoio LGBT para todo o país (vídeo)

Em tarde de Arraial o dezanove aproveitou para conhecer melhor o novo projecto da associação ILGA Portugal, a Linha LGBT.

A linha de apoio e informação sobre a realidade LGBT funciona, de anónima e confidencial, de quarta a Sábado das 20h às 23h, mas este Sábado não está a funcionar, exactamente para aproveitar o evento no Terreiro do Paço e optimizar a divulgação.

“Entrou em funcionamento em Fevereiro passado e desde aí temos feito divulgação e ao mesmo tempo alterado algum do nosso material para corresponder melhor ao tipo de perguntas que temos recebido”, diz Manuel Mira.

 

dezanove: Qual tem sido a receptividade a este projecto?

Manuel Mira: À medida que a divulgação da Linha tem sido feita, temos recebido cada vez maior número de contactos. Ao mesmo tempo, agora disponibilizamos também um número de telemóvel 969 239 229 e um contacto por Skype: linhalgbt. Ambos têm ajudado para uma maior adesão ao serviço.

 

Continuam a recrutar voluntários? Que formação recebem os mesmos?

Não estamos em recrutamento activo de voluntários/as neste momento. No entanto, por vezes surgem pessoas que pela sua capacidade e pela sua experiência anteriores, são adequadas para poderem juntar-se ao grupo de atendimento.

Existem dois tipos de formação para o grupo de atendimento da Linha: O primeiro é geral, para todos/as os/as voluntários/as da ILGA e cobre contextos de vivência homossexual, homofobia, bullying e transsexualidade. Nesta formação também são focados os serviços e projectos da ILGA, assim como intervenções políticas e culturais.

A segunda parte da formação, é específica para os voluntários da Linha. Ainda que grande parte dos voluntários/as (mas não todos/as) tenham curso superior nas áreas das Ciências Sociais, Psicologia, Medicina, etc., os casos que surgem na Linha são únicos, e por isso os voluntários necessitam de uma formação especifica para melhor poderem lidar com os problemas que surgem. A formação inclui, entre outros, técnicas de atendimento, violência doméstica, transfobia, outras instituições de ajuda e apoio, etc. Talvez mais importante, seja o facto da formação ser mais ou menos contínua - para além das mudanças constantes de situações e casos que surgem, trabalhamos com outras instituições que nos podem oferecer a sua experiência. Isto é importante por duas razões: por um lado criamos uma relação de cooperação com essa instituição, e por outro fazemos uma troca de experiências importantes.

Que planos existem para futuro?

Para o futuro, planeamos alargar o horário da Linha durante a semana e também incluir o Domingo. Também pretendemos uma maior divulgação da Linha que abranja todas as zonas do país, principalmente as zonas rurais do interior. Estamos a procurar parceiros que nos possam ajudar a fazer este trabalho. Na verdade qualquer pessoa nos poderá ajudar a fazer isto quer por meios de divulgação pessoais, quer com ajuda financeira para que possamos fazer campanhas de sensibilização.

 

 

Vê o álbum completo de fotografias do Arraial Pride 2011

 

Actualizada com vídeo a 28 de Julho de 2011