Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

O processo de coming out

“Um processo complexo de transformações interpessoais, frequentemente estendido à vida adulta, que leva a um conjunto de acontecimentos com o reconhecimento da orientação sexual do indivíduo.” Seja qual for a definição de coming out, o que conta é o que se sente. Por isso mesmo, aqui vão alguns conselhos para quem possa estar a pensar em dar o passo do coming out.

-Já fez o coming out para si mesmo? Antes dos outros, sinta-se confortável consigo mesmo e é importante que saiba que não está sozinho. Várias pessoas, tanto homens como mulheres, estão a passar pelo mesmo e têm as mesmas dúvidas. Por isso mesmo, se ainda tem dúvidas, não assuma nada para os outros antes de saber se é mesmo o que é e sem se assumir para si mesmo.

-É necessário? Faz parte do seu crescimento, vai ser importante na sua aceitação enquanto pessoa ou apenas o faz porque está cansado que lhe perguntem com quem anda ou para onde vai? Ou então porque está zangado ou foi descoberto? Ou acha que por outros o terem feito, também o deve fazer?

-Está preparado? Tomar a decisão de dizer aos outros que é gay (entenda-se gay, lésbica, transexual ou bissexual) pode efectivamente ter efeitos muito bons. Levantar a auto-estima, libertar uma pressão muito grande e infelicidade e mesmo melhorar algumas relações. No entanto, deve pensar que nem tudo são rosas e que a pressão imediatamente após uma revelação desta envergadura pode ser demasiado grande para lidar com ela sozinho.

-Escolha a pessoa. Provavelmente o amigo ou amiga especial, o parente mais próximo em idade ou com quem se dá melhor serão as pessoas certas. Não escolha quem à partida pode não entender ou pode não respeitar o seu espaço e decisão. E explique que todo este processo é também para si uma descoberta.

-Escolha a altura. Nenhuma altura é certa pois somos todos humanos. No entanto, e consoante o conhecimento que tem da pessoa(s) a quem vai fazer a revelação, escolha bem. Alturas de stress emocional, cansaço, grande formalidade ou mesmo alturas de fáceis distracções não são o momento certo. Se vai falar de si, escolha a altura em que você se sinta bem e em que possa transmitir que está a falar de algo que é seu.

-Escolha a forma. Pode ser por escrito, num jantar, após um momento de grande intimidade. Dependendo da pessoa a quem quer revelar e a sua própria maneira de estar na vida, assim pode ser o momento. Não há receita. Há sim maneira.

-Esteja preparado. Por vezes, a reacção dos outros pode não ser a melhor. Seja porque não estão preparados para aceitar, seja porque a partir desse momento não vão mais poder fazer de conta que não sabiam. De qualquer uma das formas, esta reacção é algo com que deve contar. O que é natural para si pode não o ser para os outros. Pode ser necessário que seja você a ter de dar espaço e tempo para o outro lhe colocar certas questões. Tenha sempre alguém que o ajude nesta altura e que saiba o que vai fazer.

-Ajude. A si mesmo aceitando-se, aos outros quando tiverem dúvidas e partilhando a sua experiência (boa ou nem por isso) de forma a poder ajudar quem esteja em situação semelhante à sua.

 

Ponderação é a palavra-chave.

Já sabem... tenham bom sexo e ainda mais cuidado.

Até para a semana,

 

Sempre vosso, Enfº Carlos Camisão