Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Ministro manda prender todos os homossexuais da região Oeste do Gana

Depois de, em Maio último, um deputado do Uganda ter proposto, sem sucesso, a lei capital para os homossexuais, é a vez do ministro da Região Oeste do Gana, Paul Evans Aidoo, ordenar a detenção de todos os gays e lésbicas naquela região, pela qual é responsável. Aidoo deu ordens ao Gabinete Nacional de Investigações e outras autoridades para que estes encontrem pessoas homossexuais e as apresentem em tribunal. O ministro também apelou a senhorios e inquilinos para que denunciem pessoas que acreditam ser gays.

De acordo com agências noticiosas desta ex-colónia britânica, Aidoo declarou: “Estamos a fazer todos os esforços para livrar a sociedade destas pessoas.” Quando confrontado com as estimativas da existência de 8000 pessoas homossexuais a viver na Região Oeste do Gana, o ministro disse: “Não acredito, ninguém acredita. Nós não os vemos.”

No Gana, a homossexualidade é ainda considerada como uma aberração moral, ou mesmo um mito. A Constituição do país garante a protecção dos direitos humanos independentemente de “raça, naturalidade, opinião política, cor, religião, crença ou género”, mas não menciona sexualidade. Na prática, poucas pessoas foram condenadas por actos homossexuais. No entanto, a violência homofóbica continua a ser um problema e os gays deste país são normalmente forçados a esconder a sua sexualidade.

Os portugueses foram os primeiros europeus a chegar ao Gana em 1470. Em 1482 construíram o Castelo de São Jorge da Mina, que viria a transformar-se numa importante feitoria devido ao tráfico de escravos e abundância de ouro na região, então designada Costa do Ouro.

 

Lúcia Vieira