Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

"Uivo" de James Franco na estreia do Queer Lisboa 15

James Franco é daqueles actores de Hollywood que, de tão versátil que é, tão depressa faz de vilão na trilogia "Homem-Aranha" como encarna o activista dos direitos LGBT Scott Smith, no filme "Milk". Esta versatilidade tem valido a Franco muitos e grandiosos elogios, fazendo com que o actor tenha sido escolhido para apresentar a cerimónia dos Óscares em Fevereiro último, no ano em que também recebeu a sua primeira nomeação para os prémios da Academia como Melhor Actor. Nascido James Edward Franco em 1978, em Palo Alto, na California, é já considerado como um dos melhores actores da sua geração.

 


Tido como o sucessor natural de James Dean, não só devido à sua postura de "Não quero saber! Não me importo!" que tem causado na imprensa cor-de-rosa algum burburinho, mas sobretudo devido às semelhanças físicas. Franco começou a sua carreira em 1997 com um papel num único episódio na série "Pacific Blue". Foi fazendo pequenos papéis até que em 1999 foi contratado para a série "Freaks and Geeks". Série que, apesar de ter tido apenas uma única temporada, viu o seu elenco bastante elogiado pela crítica. No mesmo ano entrou na sua primeira comédia romântica, "Nunca Fui Beijada" com Drew Barrymore. O seu papel no filme e na série foram a sua rampa de lançamento para o firmamento de Hollywood. Em 2001 com a protagonização do telefilme "James Dean" começaram as comparações com o mítico actor. A confirmação de Franco como actor de primeira linha ocorreu quando foi escolhido para interpretar o melhor amigo de Peter Parker, Harry Osborn, em "Homem-Aranha".

 

Em 2008 é escolhido para o papel de Scott Smith, um dos namorados de Harvey Milk, no filme vencedor de dois Óscares, "Milk". Os últimos dois anos foram os anos em que mais trabalhou, participando em filmes como "Comer Orar Amar", a comédia "Real Desatino" e o seu mais recente sucesso "Planeta dos Macacos: A Origem". Mas o verdadeiro uivo de James Franco deu-se quando, no ano passado, foi escolhido para protagonizar o último filme de Danny Boyle, "127 Horas", que lhe valeu uma nomeação aos Óscares, e quando foi escolhido para apresentar essa mesma cerimónia, acompanhado de Anne Hathaway (na foto).

 

 "Uivo" ("Howl") de Jeffrey Friedman e Rob Epstein (realizador do documentário vencedor de um Óscar, "Os Tempos de Harvey Milk"), foi o seu filme esquecido de 2010. Quando o filme foi apresentado em Janeiro de 2010 no Festival de Cinema de Sundance, a sua interpretação foi bastante elogiada. Mas quando "127 Horas" estreou em Setembro, esmagou o burburinho que existia já à volta do Ginsberg de Franco. Há críticos que afirmam que James deveria ter sido nomeado ao Óscar por "Uivo" e não por "127 Horas". Este "Uivo" veio intensificar os boatos já existentes de o actor ser homossexual. Provocando ainda mais este boato, James apareceu na capa da revista Candy em 2010 vestido de mulher numa "trans-formation" notável. Voltou a vestir-se de mulher na cerimónia dos Óscares, provando estar à altura de uma qualquer Marilyn. Mas a postura de Franco em relação aos boatos é a mesma de sempre: "I don't care!".

O filme "Uivo" passa-se na São Francisco de 1957, na altura em que uma obra literária americana foi julgada em tribunal. "Uivo" é um filme sobre este momento seminal da génese da contracultura. A história é contada através de três fios condutores que se cruzam: o julgamento; reencenações com o jovem Allen Ginsberg (James Franco); e o poema em si, ilustrado. O formalismo ecléctico do filme é um reflexo do próprio poema. A reencenação do julgamento é a narrativa condutora do filme, onde se debatem temas ainda relevantes nos nossos dias: definições de obscenidade, os limites da liberdade de expressão e a natureza da arte. O advogado de defesa é Jake Ehrlich (Jon Hamm, protagonista da série "Mad Man"), um célebre defensor das liberdades civis. Numa ficcionada entrevista em flashback, o jovem Ginsberg disserta sobre o seu processo criativo, bem como sobre a sua batalha pessoal pela liberdade. O poema em si toma vida sob a forma de uma vibrante animação – uma viagem imaginária dentro da mente do artista - tornando o filme tão poético quanto o próprio Ginsberg.

 

 

"Uivo" é apresentado em antestreia no Queer Lisboa 15, na sessão de abertura, que tem início às 21h, sendo que o filme começa às 22h. Estreia no próximo dia 22 de Setembro, portanto se o perderem no dia 16, podem vê-lo depois nas salas de cinema.

 

 

Luís Veríssimo