Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

O QueerLisboa é um festival que “projecta a nossa cidade no mundo”

Repleto. Assim esteve esta sexta-feira o Cinema São Jorge no arranque do QueerLisboa, o festival de cinema gay e lésbico que conta já com 15 edições.

 

A sessão de abertura foi precedida por um espectáculo a cargo de quatro bailarinos da companhia espanhola SUDHUM, que em jeito de antevisão encenaram "Silenciados", que estará em exibição durante este fim-de-semana. Silenciados fala-nos da história de cinco pessoas assassinadas por discriminação em relação à sua orientação sexual.

A Sala Manoel de Oliveira foi também palco para os agradecimentos de Albino Cunha, presidente da Associação Cultural Janela Indiscreta, responsável pelo festival, que realçou o apoio ininterrupto ao longo de 15 anos do Ministério da Cultura, actual Secretaria de Estado, e da Câmara Municipal de Lisboa. Em nome da vereação responsável pelo evento falou Catarina Vaz Pinto que frisou que o QueerLisboa é um festival que “projecta a nossa cidade no mundo” e que mostra que “Lisboa é uma cidade aberta à diversidade”.

Os actores Albano Jerónimo e Beatriz Batarda e juntamente com Sam Ashby (editor da revista Little Joe) irão escolher a Melhor Longa-Metragem. Por sua vez, Miguel Gonçalves Mendes (realizador do documentário José e Pilar), Claudia Mauti e Franck Finance-Madureira integram o júri da Secção Competitiva para o Melhor Documentário. A selecção das fitas ficou a cargo de João Ferreira director artístico do festival, e Ana David, directora, que não deixaram passar a oportunidade para agradecer a todos que tornaram possível esta 15ª edição do Queer.

O filme de abertura foi o “Uivo” de Rob Epstein e Jeffrey Friedman. O filme tem James Franco como actor principal que interpreta o poeta norte-americano Allen Ginsberg, autor de Howl (Uivo), o livro de poesia mais vendido da história dos EUA e considerado por muitos obsceno e pornográfico.

À sessão de cinema seguiu-se uma performance que cruzou os papéis de género no foyer do Cinema São Jorge e uma festa patrocinada pela Absolut Vodka e pela Jameson.

O Queer traz a Lisboa fitas de temática LGBT até 24 de Setembro.

 

Fotos da sessão de abertura aqui.