Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Chile quer igualdade legal e social para todas as pessoas (vídeo)

“O amor… é amor” é uma campanha em vídeo do Movimento de Integração e Libertação Sexual (Movilh) do Chile e que tem como caras figuras públicas da sociedade chilena, que apoiam a igualdade legal e social para gays, lésbicas, bissexuais e transgéneros.

A campanha procura sensibilizar a sociedade, as autoridades e o Estado Chileno para a importância e necessidade de terminar com as exclusões legais e sociais.

Os activistas chilenos continuam a procurar mudar as leis no país, depois de no passado dia 1 de Outubro milhares de pessoas terem enchido as ruas de Santiago do Chile, a capital, contra a discriminação sexual e exigindo a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Entre as leis que se desejam ver criadas está uma que penalize a discriminação com base na orientação sexual e na identidade de género bem como  uma lei de identidade de género; uma lei de igualdade para todos os casais (independentemente de serem homo ou heterossexuais). Além disso, a comunidade LGBT chilena e os seus aliados pretendem ver revogadas do código penal a lei que determina que a idade de consentimento seja aos 14 anos em relações heterossexuais e lésbicas, e apenas aos 18 anos para relações entre homossexuais masculinos, bem como uma lei que penaliza os atentados ao pudor, porque alegam que as pessoas LGBT estão a ser alvo dessa lei apenas por troca de afectos em público.

 

Em Agosto o presidente do Chile, Sebastián Piñera, assinou um projecto de lei que aceita a união civil de casais homossexuais, cumprindo assim uma promessa de campanha. A lei da união civil surgiu sete anos depois do Chile, um país conservador e de forte influência católica, aprovar a lei do divórcio, no entanto, não legaliza o casamento entre pessoas do mesmo sexo.