Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

EUA: ódio atinge primeiro casal de lésbicas coroado como rei e rainha do “Homecoming”

O liceu Patrick Henry, na cidade de San Diego, Califórnia, fez história na semana passada ao nomear o primeiro casal de lésbicas como rei e rainha do “Homecoming”, uma tradição anual norte-americana nas escolas secundárias e universidades que ocorre no início do ano lectivo com o objectivo de dar as boas-vindas aos alunos, e que costuma incluir actividades desportivas e culturais.

 

Rebecca Arellano e Haileigh Adams foram coroadas respectivamente rei e rainha desta tradição numa votação levada a cabo pelo corpo estudantil. 

Quando a namorada foi coroada, Rebecca escreveu no Facebook: “Estou ainda mais contente do que quando eu ganhei. Acabaram de anunciar que a minha pequena Haileigh é a rainha e não podia estar mais feliz! Obrigada a todos! Vocês tornaram isto possível e agora fazemos todos parte de algo maior. Não consigo expressar como estou agradecida. Ainda estou em choque. A minha miúda está absolutamente linda.”

 

Pouco tempo após a coroação, a escola foi inundada com telefonemas e emails com mensagens cujo conteúdo não foi revelado, mas descrito como perturbador.

Haileigh Adams admitiu que nem toda a gente tinha apoiado esta decisão: “temos bastante apoio, mas também há muita gente irritada por causa disto. Vários estudantes que permanecem no anonimato disseram que estão embaraçados e que é errado que uma rapariga seja nomeada rei. No entanto, nós não podemos concorrer como um casal e isso não é justo.”

 

O responsável pelo pelouro da educação Bob Kowba disse que “estas pessoas estão a demonstrar uma grande falta de tolerância e os seus comentários de ódio são um péssimo exemplo para os mais novos. Se estes emails e telefonemas fossem feitos por estudantes, estes teriam de enfrentar processos disciplinares.” E rematou: “Anseio pelo dia em que todos os estudantes podem vir para a escola  livre de assédio e intimidação.”

 

Lúcia Vieira

 

Já segues o dezanove no Facebook?