Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Mulheres lituanas transexuais, bissexuais e lésbicas dirigem missivas aos ministros

Segundo a “Lithuania Gay League”, a representação do contingente feminino da população LGBT é pouco vísivel pelo que decidiu lançar um projecto intitulado “Empowering LBT Women” com o objectivo de promover o diálogo e dar mais visibilidade a esta população a nível nacional. Entre outras acções a iniciativa consiste em escrever postais aos ministros lituanos com o tema “Vamos falar”.

 

 

Neste momento o rumo dos direitos das pessoas LGBT é incerto na Lituânia. Ainda este ano os legisladores estavam a considerar um projecto-lei que alteraria o Código de Ofensas Administrativas de modo a punir quem “promova” a homossexualidade com uma coima que pode ir dos €580 aos €2900.

 

Dois anos após a entrada na União Europeia, em 2006 o país reformou a Lei da Protecção de Menores contra os “efeitos prejudiciais” da informação pública. De acordo com esta lei a “propaganda da homossexualidade e bissexualidade” tem um efeito prejudicial nos menores de idade e deveria ser banida de escolas e outros locais onde esta possa ser facilmente acedida pelos mais jovens.

 

A Lituânia proíbe o casamento e união civil entre pessoas do mesmo sexo, no entanto, gays e lésbicas podem servir livremente nas forças armadas.

 

No ano passado a Marcha do Orgulho Báltico, que reúne pessoas LGBT da Lituânia, Letónia e Estónia, foi inicialmente cancelada, mas depois de pressões nacionais e internacionais o Supremo Tribunal Administrativo da Lituânia anulou a decisão do tribunal de instância inferior de suspender a realização do Orgulho Gay Báltico.

 

Lúcia Vieira

 

Já segues o dezanove no Facebook?