Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

La Féria leva à cena os últimos momentos da diva do arco-íris (com vídeo)

Seis anos depois da estreia mundial na Opera House de Sidney, estreia esta quinta-feira no Teatro Politeama, em Lisboa, a versão portuguesa do musical Judy Garland – O Fim do Arco-Íris, de autoria de Peter Quilter.

A peça encenada por Filipe La Féria conta no papel principal com o desempenho de portuguesa Vanessa Silva. É a primeira vez que a artista, presença habitual em shows na discoteca Trumps e que já deu provas noutras produções de La Féria, dá cartas como protagonista e, desta feita, como ícone gay

Vanessa Silva interpreta o papel de Judy Garland, descrita pela produção portuguesa como "uma performer que foi, no seu tempo, um Michael Jackson ou uma Amy Winehouse, um talento ímpar, vítima de uma vida dependente mas com um humor que suplantava todos os dramas."

A história do ícone gay nasce quando Judy Garland, cujo nome verdadeiro era Frances Ethel Gumm, interpreta na sua juventude o papel de Dorothy Gale no filme "O Feiticeiro de Oz" (1939). No ano seguinte ganha o Óscar pela canção "Over the Rainbow", considerada nos EUA a canção mais emblemática do século XX. Os papéis dramáticos e versáteis e uma vida mergulhada em álcool e drogas compõe o resto da história de Judy Garland.

Na TimeOut Lisboa, Bruno Horta vai mais longe e relembra que "a Revolta de Stonewall, a 28 de Junho de 1969, em Nova Iorque – confronto entre polícia e homossexuais noctívagos, que deu origem ao movimento gay actual – nunca se teria dado se Judy Garland não tivesse morrido, de overdose, poucos dias antes. O desgosto dos seus fãs terá originado um sentimento ainda maior de revolta contra a polícia". Na época pré-Stonewall, a canção "Over the Rainbow" foi adoptada pela comunidade LGBT como um hino. Na década de 1950, "ser amigo de Dorothy" era uma expressão utilizada entre os homossexuais para indicar que alguém era gay.

Em palco com Vanessa Silva para representar os últimos momentos da carreira da diva estarão Hugo Rendas no papel do último marido de Judy Garlannd, Mickey Deans, e Carlos Quintas, o seu pianista Antonhy.

 

De 4ª a Sábado às 21h30

Sábados e Domingos às 17h

Vários preços a começar nos 10 euros

Teatro Politeama,

Rua das Portas de Santo Antão, Lisboa

 

Judy Garland | O Fim do Arco-Íris from Tratto - Design e Comunicação on Vimeo.