Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

E se uma das mulheres mais bonitas de Inglaterra fosse transexual?

Nasceu Jack, mas agora dá pelo nome de Jackie Green e é uma das mulheres mais bonitas de Inglaterra. O concurso Miss Inglaterra, realiza-se entre os dias 25 e 26 de Junho, e servirá para apurar a representante inglesa ao concurso Miss Mundo.

 

A mudança de sexo de Jackie realizou-se aos 16 anos e tornou-a uma das pessoas mais jovens, a realizar este tipo de operação. Logo aos quatro anos Jack (o seu anterior nome masculino) acreditava que a única explicação para o facto de ter nascido homem, era que Deus tivesse cometido um erro.

Imaginando-se incapaz de viver num corpo que não o seu e depois de várias tentativas de suicídio (e uma de automutilação genital), Jackie só perspectivou duas alternativas. A primeira era morrer, a outra era ser uma mulher. A mãe de Jackie, perante as duas alternativas, decidiu hipotecar a casa e pagar a operação, que ascendeu a mais de 16 mil euros. Mas mesmo com o apoio da família e com a decisão tomada, havia ainda uma série de obstáculos e burocracias a limitarem o objectivo: a idade permitida em Inglaterra, para este tipo de operações é de 18 anos. Recorreu então ao Oriente, à Tailândia mais precisamente, para fazer a operação e recomeçar do zero. A Tailândia é um dos países que permite realizar a cirurgia antes dos 18 anos. A operação durou 7 horas:  “Até ao momento da operação tinha nojo do meu corpo. Tomava duche com roupa interior, porque não me queria ver”. “Tinha uma auto-estima miserável”, afirmou.

“No dia do meu 16º aniversário a enfermeira que me acompanhou na cirurgia, cantou-me os Parabéns (Happy Birthday). Foi de facto o meu nascimento”, contou ao Daily Mail. “Senti que tinha nascido de novo”.

Jackie teve a sua juventude marcada por vários episódios de bullying. Na escola primária chamavam-lhe gay porque vestia roupa de rapariga: “Eu nem sabia o que isso era, sempre me senti uma rapariga” sublinhou Jackie.

Aos 18 anos, Jackie é uma mulher plena, com um passado repleto de memórias marcadas por uma violência, em alguns momentos, extrema. Por isso mesmo, não é de estranhar que a sua grande referência seja o ícone Lady Gaga, que criou recentemente associação anti-bullying Born This Way.

 

Luís Miguel

 

Já segues o dezanove no Facebook?