Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

"Bully", o filme que mostra que está na altura de tomar uma posição (com vídeo)

“Está na altura de tomar uma posição.” “Bully” (2011) de Lee Hirsch promove-se desta forma, um documentário sobre bullying entre adolescentes nas escolas da comunidade escolar de Sioux City, Iowa.

 

O bullying passou a constar do nosso vocabulário. Fala-se muito em bullying, mas o que é este fenómeno? É algo novo, ou é algo que sempre existiu? Bullying, palavra que já consta do dicionário português, é definida como o conjunto de comportamentos agressivos, intencionais e repetidos, adoptados por alguém contra pessoas física ou psicologicamente mais vulneráveis, sobretudo em contexto escolar. Esta discriminação extrema pode ter origem na raça, noutra nacionalidade, religião, sexo, deficiência, ser e/ou parecer homossexual. Quantos de nós não foram vítimas de bullying na escola? Por sermos magros, por sermos gordos, por sermos altos, por sermos feios ou bonitos aos olhos dos outros?

É todo este fenómeno que o documentário "Bully" expõe de forma crua e cruel. O filme que estreia nos Estados Unidos esta sexta-feira, 13 de Abril, depois de ter estreado apenas nalguns cinemas seleccionados a 30 de Março, tem causado alguma sensação, não só pela temática que aborda, como também pela forma como a aborda. A última polémica deveu-se à classificação etária do filme, a Motion Picture Association of America (MPAA), organismo que classifica os filmes nos EUA, restringiu o acesso a menores de 17 anos, o que o impedia de ser visto pelos adolescentes para os quais foi pensado. Depois de uma petição que reuniu milhares de assinaturas a MPAA mudou a classificação da película para maiores de 13 anos.

Lee Hirsch acompanhou durante um ano escolar cinco crianças e as respectivas famílias, mostrando os casos mais trágicos, incluindo as histórias de duas famílias que perderam os seus filhos, que se suicidaram, e a história de uma mãe que aguarda o destino da sua filha de 14 anos, que foi presa por ter levado uma arma para o autocarro escolar. Com acesso raro à comunidade escolar do distrito de Sioux City, o filme dá ao espectador uma visão muito íntima, talvez demasiado íntima, dos autocarros escolares, salas de aula, refeitórios e até de gabinetes de directores escolares por onde passou, oferecendo um olhar muitas vezes cruel do mundo das crianças e adolescentes, com pais, professores e administradores que lutam para encontrar respostas para o fenómeno do bullying.

Embora as histórias examinem as terríveis consequências do bullying, dão também testemunhos de coragem e força das suas vítimas, as quais procuram inspirar mudanças reais no modo como lidamos com este fenómeno como pais, professores, crianças e na sociedade como um todo. Através do poder dessas histórias, "Bully" tem como objectivo ser um catalisador para a mudança e para virar a maré de uma epidemia de violência que atingiu todas as comunidades nos Estados Unidos e não só.

 

 

Luís Veríssimo

 

Já segues o dezanove no Facebook?

3 comentários

Comentar