Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

IndieLisboa: Os filmes a ver até Domingo (com vídeos)

O dezanove esteve a analisar a programação do IndieLisboa até Domingo e diz-te quais os filmes obrigatórios para os três próximos dias. O festival termina a 6 de Maio.

 

27 de Abril, sexta-feira

Às 21h45 no Pequeno Auditório da Culturgest integrada na Competição Internacional podemos ver a curta-metragem "Armand, 15 Ans, l'Été" (2011, documentário, França, 50') de Blaise Harrison. Esta curta repete a 2 de Maio às 16h45 na mesma sala.

É Verão numa pequena cidade no sul de França. A escola está a acabar, os miúdos gritam e correm com entusiasmo e enviam mensagens uns aos outros. Armand tem 15 anos e é diferente, mais adulto, mais reservado que a maioria. Para ele, o Verão estende-se à sua frente, ritmado pelo som dos grilos, pelas conversas dos seus amigos, pelas sestas ao sol e pelas séries de TV americanas. Haverá também momentos de tranquilidade, de silêncio e de solidão.

 

 

28 de Abril, Sábado

"Garçon Stupide" (2004, ficção, Suíça, 94'), de Lionel Baier passa às 21h30 na Sala Manoel de Oliveira do Cinema S. Jorge. Esta longa-metragem é acompanhada pela curta "Emile de 1 à 5" (2012, ficção, Suíça, 5') também da autoria deste realizador helvético e integra a subsecção Cinema Suíço - Um Bando à Parte da secção Cinema Emergente.

Loïc tem 20 anos e a sua rotina divide-se entre o trabalho numa fábrica de chocolates, que lhe dá dinheiro suficiente para sobreviver, e as conversas na internet onde combina encontros sexuais com estranhos. A sua única e verdadeira amiga é Marie, com quem divide um pequeno apartamento. Uma noite, encontra-se com um homem que descobriu na internet e fica surpreso quando, em vez de querer correr para algum sítio escondido para fazerem sexo, ele tenta envolvê-lo numa conversa mais pessoal e significante. Depois desta experiência, de repente a vida de Loïc torna-se muito mais complicada.

 

 

"Il n'y a pas de rapport sexuel" (2011, documentário, França, 79') de Raphaël Siboni é exibido às 23h45 na sala 2 do Cinema Londres e faz parte da secção Director's Cut. O documentário repete 5 de Maio no mesmo horário e na mesma sala.

A ilusão é o primeiro de todos os prazeres. Ninguém sabe isso melhor do que o rei do porno francês, Hervé P. Gustave, ou HPG, como é conhecido entre os fãs. Nas mãos do jovem artista visual Raphaël Siboni estão milhares de horas de trabalho de bastidores e cenas de incontáveis produções de baixo orçamento assinadas por HPG, que foram transformadas num olhar inteligente e sem preconceitos sobre o mundo da pornografia. Um documentário que questiona a natureza da pornografia e a paixão pelo real que a caracteriza.

 

 

29 de Abril, Domingo

Integrado no programa de Curta-Metragem, "Julian" (2012, ficção, Reino Unido/Portugal, 10'), de António da Silva, é apresentado às 18h no Grande Auditório da Culturgest. Não te esqueças do passatempo que o dezanove está a fazer para o visionamento desta curta. O filme repete dia 30 de Abril às 21h45 e 4 de Maio às 16h45 no Pequeno Auditório da Culturgest integrado na Competição Nacional.

Um homem reporta-se a uma memória de um Verão passado. Julian surge acessível e sorridente, mas a distância entre o que corteja e o que é cortejado, pode ser maior do que se aparenta. Um filme tocante sobre as várias possibilidades do amor.

 

Na sala 3 do Cinema S. Jorge às 18h45 é-nos apresentado mais um filme de Lionel Baier, desta feita "Un Autre Homme" (2008, ficção, Suiça, 90'), integrado na subsecção Cinema Suíço - Um Bando à Parte da secção Cinema Emergente.

François muda-se com a sua namorada Christine para uma aldeia perto de Lausanne e consegue arranjar trabalho no jornal local. Ele tem como função escrever artigos sobre a vida dos habitantes da região e sobre os filmes exibidos no único cinema local. Não percebendo muito de cinema, François não sabe o que pensar ou escrever sobre os filmes e decide copiar, palavra por palavra, as críticas de uma revista francesa de cinema. A pouco e pouco, graças aos visionamentos e leituras, ele torna-se um apaixonado por filmes e consegue convites para as estreias reservadas à imprensa, em Lausanne. Lá conhece Rosa, uma crítica influente que o seduz e por quem se apaixona. Deslumbrado por esta mulher encantadora e autoconfiante, vai fazer tudo para a agradar e seguir para todo o lado. Uma relação perversa desenvolve-se entre os dois.

 

 

Bons filmes e bom cinema se puderem e se conseguirem.

 

Luís Veríssimo