Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Foi um beijo assim que um taxista o impediu de dar no seu namorado

Uma simples viagem de táxi para o aeroporto da Portela (Lisboa) acabou por se tornar numa dor de cabeça para Wellington Almeida e para o namorado. No dia 28 de Março, por volta das 10 da manhã, o casal dirigiu-se para o aeroporto onde o namorado de Wellington Almeida iria apanhar um voo para passar a Páscoa com a família em Nápoles. “Como era nosso último dia juntos porque durante uns meses estou a trabalhar em Berlim, estávamos de mão dadas dentro do táxi.

O taxista resmungou algumas coisas que não entendi, mas quando trocamos um 'xoxo', ele perdeu a compostura. Travou o carro violentamente e gritou: 'Oh meus amigos, aqui dentro do meu carro Não'”, contou ao dezanove.pt Wellington Almeida. O casal ainda tentou argumentar mas o taxista foi “agressivo no discurso”. “Eu não admito essa falta de respeito e pouca vergonha dentro do meu carro! Vão fazer isso onde vocês quiserem mas aqui eu exijo respeito!”, terá dito o taxista. “Fiquei nervosíssimo e trocamos algumas palavras mais inflamadas. Ele ameaçou expulsar-nos do táxi se nós nos tocássemos mais uma vez. Como estávamos atrasados porque o voo saía em meia hora, continuámos”, refere o passageiro.

Wellington Almeida pediu a identificação ao taxista, que a mostrou e tirou uma foto com o telemóvel. O próximo passo foi avançar com uma queixa. “Tentei pedir ajuda às instituições LGBT de Lisboa, que me ignoraram completamente” relata Wellington Almeida.

Dois dias depois da viagem para o aeroporto, quis apresentar uma queixa na PSP. “ O agente que me atendeu, muito simpático e solícito, disse que, por ser um crime contra a honra, era preciso que eu arranjasse um advogado (pagando uma taxa de 102 euros) ou que solicitasse que o Estado nomeasse um no prazo de 10 dias, ou então o caso seria arquivado”. Agora, Wellington Almeida, que vai regressar a Portugal, pondera apresentar uma queixa à Antral e ao Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestre (IMTT).

A denúncia deste caso coincide com um momento em que o Turismo de Portugal está a promover, junto de 100 taxistas, o “Welcome by Taxi” com formação gratuita de inglês e técnicas de acolhimento de visitantes. As acções de formação decorrem em Lisboa, Estoril, Porto e Faro.

 

Miguel Oliveira

 

Imagens cedidas por: Wellington Almeida

 

Já segues o dezanove no Facebook?

 

33 comentários

Comentar

Pág. 1/3