Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Eurodeputada britânica defende os direitos das lésbicas em África

Marina Yannakoudakis, eurodeputada britânica e porta-voz dos direitos das mulheres no Parlamento Europeu, defendeu os direitos das lésbicas em África depois de conhecer uma mulher do Uganda que foi violada, torturada e obrigada a dar à luz na prisão.

A eurodeputada submeteu uma proposta que apela a 38 países africanos para acabarem com as leis anti-homossexuais e que punem o ódio e a violência baseados na orientação sexual, identidade de género e expressão de género.

Yannakoudakis apresentou esta proposta no princípio deste ano, quando uma mulher foi acusada de praticar a homossexualidade nos Camarões sendo por essa razão levada a tribunal.

A eurodeputada declarou: “As lésbicas são um grupo particularmente vulnerável à violência e estupro. Eu e outras mulheres do Comité dos Direitos das Mulheres estamos extremamente preocupadas com o escalar desta situação.” E continuou afirmando que uma das razões que a levou a submeter esta proposta foi ter conhecido uma mulher do Uganda que lhe contou a sua história de abuso e maus tratos por ser lésbica.

“Quando o pai de Theresa descobriu que ela era lésbica bateu-lhe e chamou a polícia” contou Yannakoudakis. “Na esquadra de polícia foi espancada e mais tarde violada por dois polícias. Theresa passou mais de um ano na prisão onde foi torturada e violada quase todos os dias. Acabou por engravidar e ter o bebé na sua cela. O bebé nasceu morto e o seu corpo ficou no canto da cela a apodrecer durante dias. Theresa conseguiu finalmente escapar em 2006 e vive em Londres desde então, contudo perdeu a audição devido aos constantes espancamentos.” E rematou “Disseram-me que esta é uma história comum entre as lésbicas que fogem à perseguição em alguns países africanos.”

Marina Yannakoudakis espera que a sua proposta faça realmente a diferença nos países que perseguem pessoas da comunidade LGBT. Ser lésbica é ilegal em 27 nações africanas.



 

Lúcia Vieira

 

Já segues as notícias do dezanove no Facebook?

 

4 comentários

Comentar