Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Nobel da Paz diz que homossexuais devem ficar na última fila do Parlamento ou então fora atrás de um muro

Os homossexuais "devem permanecer sentados na última fila do Parlamento e mesmo fora dele, por detrás de um muro". As palavras são do líder histórico do movimento polaco Solidariedade Lech Walesa. "Eles [os homossexuais] têm de saber que são uma minoria e que têm de se adaptar às coisas mais pequenas", disse numa entrevista ao canal televisão TVN. No parlamento polaco têm assento um activista dos direitos LGBT e a deputada transexual, Anna Grodzka.

Walesa, que tem agora 70 anos, liderou o sindicato Solidariedade, que contribuiu para a queda do comunismo na Polónia. Enquanto lutou pela democracia no seu país, esteve preso e foi laureado com o Prémio Nobel da Paz em 1983. Foi eleito presidente da Polónia em 1990. Na mesma entrevista Lech Walesa foi mais longe: "Não quero que essa minoria, com a qual não estou de acordo – mas tolero e compreendo – se manifeste nas ruas e dê a volta à cabeça dos meus filhos e dos meus netos". Lech Walesa justificou a sua posição: "Sou da velha escola e não tenciono mudar. Compreendo que haja pessoas diferentes, com orientações diferentes e que têm direito à sua identidade. Mas que não mudem a ordem que está estabelecida há séculos."

2 comentários

Comentar