Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Apesar do ambiente de temor, Kiev realiza primeira marcha do orgulho LGBT (com vídeo)

Na capital da Ucrânia, Kiev, conseguiu realizar-se este Sábado a primeira Marcha do Orgulho LGBT. Apesar dos temores de violência e do Tribunal Municipal ter proibido a realização de todos os eventos que não faziam parte do Lista Oficial de Eventos do Dia de Kiev na zona central da cidade (local onde estava inicialmente agendada a realização da marcha), os organizadores, em cooperação com as autoridades locais decidiram alterar o local para a Avenida Vitória, um local relativamente perto da zona central da cidade, mas não sujeito à proibição.

 

A marcha teve início por volta das 10h locais e foi decidida e organizada à “porta fechada” de modo a garantir a segurança dos participantes, que apenas foram avisados por mensagens de texto que lhes diziam quando e onde se deveriam encontrar.

A marcha que durou certa de uma hora contou com a presença de mais de meia centena de pessoas que seguravam bandeiras do arco-íris, erguiam cartazes com frases como “Direitos LGBT = Direitos Humanos” e lutaram pelos direitos dos homossexuais, bissexuais e transgéneros na Ucrânia.

Na marcha estiveram presentes: uma delegação de cerca de 10 participantes da cidade de Munique, que traziam uma faixa que dizia “Munique cumprimenta a cidade-irmã – Kiev”; os representantes das embaixadas dos Estados Unidos da América, Canadá, Alemanha, Suécia, Países Baixos e França, e ainda com o membro do Parlamento Europeu, Komelisson.

Entre os 10 participantes de Munique estavam Wieland e Une, um casal gay casado em Munique, que afirmavam estar orgulhosos de participar no primeiro evento do tipo naquela cidade. Também de Munique estava o vice-presidente, Hep Monatzeder, que estava presente para mostrar o seu apoio aos direitos humanos e à comunidade LGBT da Ucrânia, e disse: “O Pride vai continuar (…) Isto irá iniciar uma discussão (…) que irá mudar a maneira como as pessoas pensam”. E explicou: “a Alemanha começou com um pequeno percurso. Agora temos um grande desfile anual, e os manifestantes que no início eram contra a ideia do desfile, hoje são parte integrante dele”.

E também da Suécia existiam participantes, como era o caso de Zafire Vrba que afirmou “Estou feliz porque finalmente vamos marcha!”

A coordenação da marcha contou com uma equipa da Amnistia Internacional, e com o apoio de organizações dos direitos humanos como Freedom House, Human Rights Watch, Centro de Direitos Humanos Progresso de No Borders, entre outros.

Durante o evento existiu policiamento composto por cerca de 1000 e soldados, dos quais 300 polícias eram tropas de choque, que estavam presentes para evitar os confrontos entre os manifestantes anti-gay (membros da extrema direita Svoboda e crentes Ortodoxos) e os participantes da marcha. Segundo a impressa ucraniana foram detidas 10 pessoas que tentaram impedir a acção: desde jovens que tentaram romper o cordão policial, a idosos religiosos e fanáticos que bloquearam a Avenida Vitória.

No final dos cerca de 300 metros percorridos os participantes entraram para um local vedado por um portão de ferro, e daí foram levados de autocarro para um local seguro.

No final os organizadores disseram estar felizes com o resultado e no Site Oficial o Comité Organizador do KyyivPrayd2013 agradeceu “aos representantes da polícia de Kiev por manter a ordem durante a marcha da igualdade”.

 

Projeto Mais Igualdade

 

Recorda o que se passou em Kiev em 2012 aqui



Já segues o dezanove no Facebook?