Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

A Marcha de Lisboa sem FaraDiva seria a mesma coisa?

Provavelmente não, por isso o dezanove.pt entrevistou a responsável pela animação que atravessou as ruas de Lisboa, durante a Marcha do Orgulho LGBT que decorreu este Sábado. Em cima de uma carrinha dançou, gritou palavras de ordem e, num tom bem-humorado, provocou quem passava. FaraDiva (ao centro na foto) em discurso directo.

dezanove: Sem ti a Marcha era a mesma coisa?

FaraDiva: Quem disse isso?

Por acaso disseram-me isso há pouco. Mas será que és realmente boa no que fazes ou é a Marcha que não tem animação?

Eu venho à Marcha por gosto para animar as pessoas. A Marcha é animada. Ao longo dos anos tem vindo muito gente nova. Eu sou uma mais-valia.

Quando vês os vídeos da marchas estrangeiras não te parece que a de Lisboa é mais enfadonha?

A nossa Marcha é divertida, reflecte é o tamanho de Portugal. Não vamo-nos comparar às Américas ou ao Brasil porque não temos 22 de milhões de pessoas como em São Paulo. O importante é que a Marcha tem vindo a trazer pessoas novas, gente interessada e turistas. Na Marcha há muita política. A organização faz de que questão que saiamos à rua com palavras de ordem. As pessoas se calhar estão à esperar de mais drag queens, mais plumas...

Onde estavam as drags este ano?

Vou lançar um tópico. Há muitos artistas, animadores e drag queens que podiam aderir ao movimento e à Marcha. Faço uma crítica a essas pessoas que aderem mais ao Arraial Pride do que à Marcha.

Porque acontece isso?

Por uma questão de interesse. Mas a Marcha está a crescer e essas pessoas fazem falta, tal como figuras nacionais e celebridades que, sem preconceitos, podiam estar aqui.

Fica alguma história engraçada desta Marcha?

Adoro interagir com as pessoas. Os turistas quando nos vêem acham o máximo. Os australianos ou chineses estão cá de férias e não estão à espera de nos ver a descer o Chiado. Ainda hoje encontrei um casas de lésbicas que não sabia que ia haver a Marcha. Nós temos um bom equilíbrio entre o celebrar e a festa e uma parte democrática, de luta, de consciência. A leitura dos manifestos das associações é muito importante. Os próprios discursos estão cada vez mais inteligentes. Temos de confiar uns nos outros para que o movimento LGBT vá para a frente. Nós somos reconhecidos pela sociedade mas ainda há muito preconceito.

Costumas ir à Marcha do Porto? Que diferenças há entre as duas cidades?

Nos últimos dois anos, por questões de trabalho, não tenho ido. Mas posso dizer que há um líder, o João Paulo, que, com as associações, todos os anos luta com toda a força para que a Marcha se realize e que haja um dia no Porto que assinale a luta pelos direitos LGBT.

 

Vê aqui as fotos e o vídeo da Marcha do Orgulho LGBT 2013 de Lisboa