Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

“E agora?”: O filme da vida de Joaquim Pinto e Nuno Leonel (com vídeo)

Tempo: sucessão de momentos em que se desenrolam os acontecimentos; parte da duração ocupada por acontecimentos; período contínuo e indefinido no qual os eventos se sucedem; duração; época em que se vive; etc… Memória: função geral de conservação de experiência anterior, que se manifesta por hábitos ou por lembranças; tomada de consciência do passado como tal; lembrança; recordação; etc…

“E agora? Lembra-me” (2013) de Joaquim Pinto é, como descreve o próprio trailer, um reflexão sobre o tempo e a memória. Joaquim Pinto, o realizador, (con)vive com o VIH e o vírus da hepatite C há quase 20 anos. “E Agora?” é o caderno de apontamentos de um ano de ensaios clínicos com drogas tóxicas e ainda não aprovadas para combater o vírus da hepatite C. Uma reflexão aberta e ecléctica sobre o tempo e a memória, as epidemias e a globalização, a sobrevivência para além do expectável, a discordância e o amor absoluto. Num vai e vem entre o presente e passados, o filme é também um tributo aos amigos que partiram e aos que permanecem. Nuno Leonel, marido, namorado, companheiro de jornada e de luta, que se esconde e se mostra, que apoia, que é pilar, mais do que amor, mais do que suporte, numa imensidão de uma relação a dois. O filme tem estado em destaque na imprensa internacional. Em Portugal, foi capa do suplemento Ípsilon, publicado no Público na passada sexta-feira.

O filme, que é ao mesmo tempo documentário, ficção e obra de arte, que compete na Secção Oficial, tem estreia mundial esta quinta-feira no 66º Festival Internacional de Cinema de Locarno. A 22 de Setembro podemos vê-lo em antestreia nacional no Queer Lisboa 17. Depois volta a passar no festival DocLisboa.

 

 

 

Luís Veríssimo