Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Dezenas de pessoas marcharam no 2º Orgulho LGBT dos Açores (com vídeo)

Dezenas de pessoas marcharam este Sábado na II Marcha LGBT dos Açores, em Ponta Delgada. A iniciativa foi organizada, pelo segundo ano, pela associação Pride Azores.

A marcha iniciou junto das Portas da Cidade, atravessou algumas artérias da capital de S. Miguel, e terminou com os discursos dos responsáveis pelas organizações participantes e organismos convidados.

Nos cartazes do manifestantes era possível ler-se mensagens como "manifesta-te, o silêncio também é censura", "antes de me discriminares, conhece-me", "os armários são para a roupa" e "não desapareças na paisagem".

 

Terry Costa, o presidente da Pride Azores, revelou que no último ano a associação foi contactada por 52 pessoas que tiverem "a coragem" de "avançar um passo e denunciar crimes" de fobia e 'bullying' relacionados com a orientação sexual. Recorde-se que a associação foi criada em 2011 neste arquipélago para apoiar e integrar socialmente a população lésbica, gay, bissexual e transgénero e as suas famílias, através de programas educativos, sociais e culturais.

Natércia Gaspar, em representação do Governo Regional dos Açores, declarou “Não tenhamos dúvidas que em razão da sua orientação sexual, apesar da evolução das leis ainda persiste a discriminação, a homofobia, e muitos cidadãos e cidadãs LGBT, nos Açores ainda vivenciam situações de violência e assédio nas suas vidas, para muitos jovens, o bullying e a exclusão social são experiências diárias que deixam marcas de sofrimento profunda e com consequências cujos custos pessoais, familiares, sociais e até económicos são demasiado elevados.”

Da associação UMAR Açores, esteve presente Clarisse Canha, que foi "a madrinha" da marcha. A activista feminista declarou “No que diz respeito à discriminação em função da orientação sexual, no que diz respeito à homofobia, parece haver ainda muitas pessoas que hoje, também consideram que não se deve falar do assunto... mas a verdade é que a denúncia desta discriminação, como as outras discriminações é um importante meio de a combater, neste caso combatendo a homofobia nas atitudes e mentalidades.”

 

 

Notícia actualizada com vídeo da RTP Açores a 2 de Setembro.

 

Créditos e Álbum de Fotos da Pride Azores aqui