Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Um beijo entre deputados italianos por mais direitos LGBT (com vídeo)

Um grupo de legisladores italianos ensaiou um beijo para interromper um debate que decorreu na passada sexta-feira como protesto à falta de leis na defesa da população LGBT italiana. Em causa está uma medida aprovada, no dia anterior, que estende a lei de anti-discriminação de 1993 aos casos de “crimes motivados por homofobia e transfobia”. O jornal La Republica avança que a lei foi aprovada com 354 votos contra 79, pela Câmara de Deputados. No entanto, o PdL, Partido de Silvio Berlusconi, terá feito declarações no sentido da mesma não ser aprovada pelo Senado italiano.

 

Um grupo de deputados do partido M5S (Movimento 5 Estrelas), como forma de protesto ao possível chumbo da lei, levantou-se durante a discussão para beijar e/ou abraçar uma pessoa do mesmo sexo, enquanto outras seguraram cartazes apelando a “mais direitos” LGBT na Itália. Defendem a “igualdade de direitos e dignidade sem género. Porque um beijo e um abraço não devem ser assustadores”.

Ainda que a lei venha a ser aprovada, os grupos LGBT têm-se manifestado negativamente sobre o conteúdo do projecto, alegando que esta pode ser uma lei “inútil”. Explicam que o projecto original, apresentado em Outubro de 2012, terá sofrido alterações significativas por pressão dos partidos da direita. Assim, a lei é considerada “perigosa” porque embora penalize a homofobia e transfobia, não prevê a discriminação com base na “orientação sexual” e “identidade de género”, conceitos que não são omissos no projecto de lei.

Esta notícia surge numa altura em que a Itália, tem sido apontada pela Amnistia Internacional, como um dos países mais homofóbicos/transfóbicos na União Europeia. Falha, principalmente na implementação de leis anti-discriminatórias com base na orientação sexual e identidade de género, onde estes crimes não são considerados crimes de ódio.

 

André Faria