Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Gays usados na Ucrânia como argumento anti-UE

Antigamente os ucranianos assustavam-se com a NATO. Hoje em dia assustam-nos com os gays. Oleh Rybachuk, ex-deputado do Parlamento ucraniano e em tempos responsável pelas questões de integração europeia, mostra-se convicto de que estão a assustar o povo ucraniano com o fantasma gay para que estes não desejem aderir à União Europeia. Segundo Oleh Rybachuk, esta iniciativa vem da Rússia.

"Estive a viajar no ano passado pela Ucrânia, fiz conferências, falou-se sobre o futuro e sobre a União Europeia. Em muitas cidades, especialmente no sul e no leste do país, colocaram-me a questão: 'Para que precisamos nós da Europa, se lá há casamentos entre homossexuais, desfiles e gays?'", conta o ex-deputado. "Apenas passado algum tempo percebi que havia uma campanha de lavagem cerebral planeada e a longo prazo".
Rybachuk está convicto que por detrás dessa campanha está a Rússia: "Eles começaram a insistir nesse ponto. Do género, somos uma sociedade conservadora, ortodoxa com as nossas tradições que os malditos europeus querem destruir. Em vez de assustarem os ucranianos com a NATO, começam a assustar com os gays. Cria-se a ilusão de que a União Europeia vive e respira apenas com questões gays. Não é verdade. Mas a ideia de que se fala muito sobre isso, é uma coisa preparada e bem pensada, tanto pela Embaixada da Rússia, como pela ortodoxia russa local. Esta campanha de alarme social torna-se ainda mais cínica, quando nesta 'lei sobre a prevenção de discriminação' nem sequer são referidos ou previstos casamentos homossexuais ou desfiles gays", refere. O ex-deputado apontava para a lei sobre a proibição da discriminação laboral, onde, entre outros, se fala da orientação sexual. Este projecto-lei ainda não foi submetido à votação dos deputados ucranianos. A União Europeia exige a aprovação desta lei, bem como de outras medidas, para a liberalização do regime de vistos. "A lei diz que não se pode descriminar uma pessoa de ser admitida num trabalho ou despedi-la por causa da sua orientação sexual. É tudo! Mas esta lei já ganhou o nome de 'Lei sobre as minorias sexuais'. Este é um problema criado artificialmente, parcialmente por causa da campanha intencional e parcialmente por causa da ignorância de muitos representantes do actual governo. Este tema está a ser alimentado de propósito", reafirma Rybachuk.         A. Iourtchenko