Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Acompanha aqui o #orgulho2017

Uma semana europeia para fazer o teste do VIH

Este ano, e pela primeira vez, celebrar-se-á a semana europeia do teste do VIH. O principal objectivo desta iniciativa será de promover, no seio da população, uma sensibilização mais alargada sobre a importância deste tipo de teste e do conhecimento do seu resultado. O mote desta primeira semana - que se realizará entre 22 e 29 de Novembro - será “TalK HIV. Test HIV”, por outras palavras, “Falemos de VIH. Faça o teste ao VIH”.

Pretende-se encorajar toda a população, em especial homens que têm sexo com homens, toxicodependentes, trabalhadores sexuais, emigrantes provenientes de países com grande incidência do VIH, prisioneiros a fazerem o teste fazendo-lhes ao mesmo tempo compreender a importância do teste. Pretende-se igualmente sensibilizar os profissionais de saúde a oferecer testes do VIH tornando-os parte da rotina clínica; apoiar organizações nacionais de teste do VIH; promover um intercâmbio de experiências entre os vários países europeus; alertar as instituições governamentais para os benefícios socioeconómicos da sensibilização atempada para o teste do VIH.

Actualmente, um em cada três seropositivos (dos 2,3 milhões existentes na Europa) não tem conhecimento sobre a sua seropositividade. 50% dos indivíduos que são diagnosticados como seropositivos conhecem o resultado tardiamente implicando alguns atrasos no tratamento. Estes números são preocupantes e exigem esforços adicionais para promover a necessidade de fazer o teste do VIH e prevenir a SIDA.

A lição a passar nesta semana é a seguinte ”sabendo antecipadamente se se é seropositivo, poder-se-á: 1) começar precocemente um tratamento que poderá proporcionar uma vida normal e com uma esperança média de vida próxima do normal na população; 2) prevenir a transmissão do VIH; 3) reduzir custos nos sistemas nacionais de saúde; e 4) evitar complicações de saúde decorrentes de um diagnóstico tardio.

 

Mais informações aqui: http://www.hivtestingweek.eu/

 

César Monteiro