Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

As perguntas históricas do Vaticano sobre os homossexuais

O arcebispo Lorenzo Baldisseri, secretário-geral do Sínodo dos Bispo do Vaticano, solicitou às conferências episcopais de cada um dos países para efectuarem a distribuição imediata do questionário e tão amplamente quanto possível, como forma de preparação do Sínodo anunciado pelo Papa Francisco, que decorrerá entre 5 e 19 de Outubro de 2014.  O Vaticano pediu aos bispos de todo o mundo que perguntem aos fiéis qual a sua opinião sobre os ensinamentos da igreja no que concerne à contracepção, ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e ao divórcio.

A medida foi saudada pela associação portuguesa de católicos homossexuais Rumos Novos. “Como católicos não podemos deixar de reconhecer a actuação do Espírito Santo no seio da sua igreja, pois é a primeira vez que o Vaticano pediu tal tipo de opiniões aos católicos de base, pelo menos desde o pós-Vaticano II”, refere a Rumos Novos em comunicado.   

O questionário apresenta várias perguntas sobre homossexualidade:  “Existe uma lei no vosso país que reconheça as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo e que as equipare de algum modo ao casamento?”,  “ Qual é a atitude das pessoas e, em particular, das Igrejas em relação ao Estado, enquanto promotor das uniões civis entre pessoas do mesmo sexo, e às pessoas envolvidas neste tipo de união?”,  “Que atenção pastoral pode ser dada às pessoas que escolheram viver nestes tipos de união?” e “No caso das uniões entre pessoas do mesmo sexo que adoptaram crianças, o que é que pode ser feito, do ponto de vista pastoral, à luz da transmissão da fé?”

A Rumos Novos espera que a Conferência Episcopal Portuguesa “saiba encontrar a melhor forma de levar este importante documento a toda a igreja nacional para que ele possa ser um verdadeiro documento de partilha e princípio da caminhada para um autêntico acolhimento de todos, unindo os muitos dons de todos os fiéis num só Espírito”.