Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Morreu José Esteban Muñoz, importante teórico queer

Um dos mais destacados professores de teoria queer, José Esteban Muñoz, autor de diversas obras dedicadas à temática das minorias e da identidade – como Disidentifications: Queers of Color and the Performance of Politics (1999) e Cruising Utopia: the Then and There of Queer Futurity (2009) - faleceu no início deste mês, anunciou a University of Minnesota Press. A causa da morte não foi revelada.

Muñoz, que nasceu em Havana em 1967, era professor no departamento de Performance Studies da Tisch School of the Arts (Universidade de Nova Iorque) e abordava a teoria queer do ponto de vista dos estudos de cultura e em particular dos estudos de performance, com um atento olhar para as questões da identidade – étnica, sexual e de género. Depois de ter estudado na Universidade de Duke com outra relevante teórica queer, a também precocemente desaparecida Eve Kosofsky Sedgwick (1950-2009), José Esteban Muñoz dedicou-se a escrever sobre artistas e criadores, como Vaginal Davis, Nao Bustamante, Carmelita Tropicana, Isaac Julien ou Andy Warhol. Em co-autoria, publicou ainda Pop Out: Queer Warhol (1996) e Everynight Life: Culture and Dance in Latin/o America (1997).

Um das principais ideias da obra deixada por Muñoz prende-se com a asserção de que a maturidade da perspectiva queer ainda não chegou plenamente, desmentindo o “aqui e agora” da acção política mais afirmativa. Mas o queer, afirmava, é um compromisso para um futuro – uma utopia, que nos deve manter pragmáticos e inspirados na construção de um amanhã melhor.

 

Mónica Guerreiro