Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Coca-Cola e as razões para (des)acreditar (com vídeo)

A Coca-Cola volta a criar alguma controvérsia no mundo LGBT, após ter omitido uma cena que mostra um casamento homossexual, no seu novo spot comercial irlandês.

O vídeo intitulado "Reasons to Believe" (Razões para Acreditar) tem sido apresentado nos principais países europeus, promovendo a mensagem de que haverá sempre mais amor e bondade no mundo do que rancor e maldade. E, precisamente, numa das cenas desse vídeo pode ver-se a celebração do casamento e do amor entre dois homens, como resposta a uma imagem de ódio.
Para espanto de muitos, na Irlanda, essa passagem homossexual foi substituída pelo casamento de um casal heterossexual dentro de uma igreja. Quando desafiada para explicar a omissão da cena do casamento gay, um porta-voz da Coca-Cola argumentou que a Irlanda ainda não adoptou o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Contudo, esta explicação não parece plausível porque a versão britânica do mesmo comercial é transmitida na Escócia e na Irlanda do Norte – duas regiões onde o casamento entre pessoas do mesmo sexo também não esta legalizado.
Nos últimos meses a mesma Coca-Cola – patrocinadora oficial dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, Russia - esteve envolvida numa grande polémica por não se pronunciar contra as políticas socialmente repressivas do presidente Vladimir Putin, que fomentam a violência homofóbica e outros abusos de direitos humanos, naquele país.
A Coca-Cola quer continuar a inspirar consumidores no mundo e difundir a paz, diversidade e inclusão; mas se as suas estratégias de marketing e comunicação não promoverem tais medidas, os mesmos consumidores terão mais "razões para desacreditar" na marca e que as suas campanhas não passam de boas intenções a pensar mais no lucro e menos na paz, diversidade e inclusão.

José Morgado