Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Marcha Porto: Os principais destaques na imprensa (vídeo)

SAPO Notícias - Marcha Orgulho LGBT: O dia do “arco-íris” no Porto (vídeo e fotos) A quinta Marcha do Orgulho LGBT decorreu neste sábado no Porto. 15 instituições e muitos cidadãos saíram as ruas para reivindicarem mais igualdade para homossexuais e transexuais e também para celebrarem o que já foi conseguido. A aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo foi motivo de celebração nesta Marcha de lésbicas, gays, bissexuais e transexuais (LGBT) mas outros temas fizeram parte da reivindicação e protesto dos participantes. “A questão da parentalidade, da adopção, da identidade de género e do acesso médico mais fácil para a mudança de sexo” foram as principais bandeiras desta quinta Marcha LGBT na Invicta, explicou ao SAPO Marta Pereira da SOS Racismo. Sob o mote “Existimos, direitos exigimos” a Marcha começou na Praça da República mas foi na Rua de Santa Catarina que teve o seu momento alto com a leitura do manifesto. Não era possível calcular o número exacto de participantes mas Patrícia São João, da Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidade entre Mulheres e Homens, esperava que a Marcha reunisse mais pessoas do que no ano passado, quando estiveram “cerca de mil participantes”. Entre as bandeiras do arco-íris, símbolo das minorias sexuais e da diversidade, encontravam-se pessoas de todas as idades mas principalmente muitos jovens. A Marcha é também uma forma de combater “preconceitos” e “mostrar que os homossexuais, as lésbicas, os bissexuais e os transgéneros são pessoas como todas as outras”, disse Hélder Pereira, um dos participantes.

 

Diário de Notícias - Marcha celebra casamentos 'gay'

A 5.ª Marcha do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros) no Porto decorreu ontem na capital do Norte para celebrar as conquistas conseguidas, como o casamento homossexual, que desde há um mês é permitido em Portugal. Além disso, a LGBT quer marcar o "início de novas lutas". "Foi um ano de conquistas mas também de abertura para novas lutas e continuação de outras, entre elas a da adopção, co-parentalidade, inseminação artificial e direitos dos transexuais", realçou Nuno Moniz, da organização da 5ª Marcha do Orgulho LGBT. A marcha começou na praça da República e segue pela rua Gonçalo Cristóvão, desceu a rua de Santa Catarina, a 31 de Janeiro e acabou na Praça D. João I, em frente ao Rivoli, local onde foram feitas as intervenções pelas organizações que promoveram o evento e depois um pequeno momento de música e diversão para os participantes. Nuno Moniz recordou que a primeira marcha LGBT na cidade do Porto surgiu com o caso da Gisberta, um travesti que morreu na sequência de uma violenta agressão por rapazes.
 

Pela parentalidade, pela adoção, pela igualdade de género e, sobretudo, contra a discriminação. Foram estas algumas das motivações que levaram este sábado centenas de pessoas a participar na 5. Marcha do Orgulho LGBT, no Porto, uma celebração pelas últimas conquistas.

Foi na Praça da República, no Porto, que as centenas de participantes na 5. Marcha do Orgulho LGBT se reuniram para iniciar aquilo que foi um misto de celebração pelas últimas conquistas - a aprovação na Assembleia da República do casamento entre pessoas do mesmo sexo - e de reivindicação por outros direitos. Homens, mulheres, transexuais, jovens, crianças e até animais. A participação nesta marcha foi diversificada, com a festa a ser colorida por balões, bandeiras e tarjas, ao som de diferentes músicas debitadas por um camião, também ele devidamente decorado. Segundo Marta Pereira, membro da organização, "neste momento a grande questão é a parentalidade e a adoção", acrescentando que outro tema muito importante "prende-se com a igualdade de género relativamente ao acesso médico, para que as pessoas possam de uma forma mais rápida e mais acessível" mudar de sexo. "Paralelamente com o que faz nos outros países do mundo, a marcha é uma forma de dar visibilidade à comunidade, de trazer as questões para a rua, também de agitar um bocadinho as águas e a fazer as pessoas confrontarem-se com estas questões que nos afetam a todos", sintetizou uma das organizadoras, de que a questão do casamento homossexual foi uma primeira vitória e de que "há muita coisa por que lutar ainda". Marta Pereira salientou ainda o "enquadramento muito abrangente" da organização deste ano da marcha, identificando o Grupo XY, da polícia, os sindicatos, os partidos políticos e as associações com trabalho na esfera dos direitos humanos. Presente nesta concentração esteve a AMPLOS -- Associação de Mães e Pais pela Liberdade de Orientação Sexual, que como foi criada há apenas nove meses - tendo já neste momento 40 pais associados - é a primeira vez que participou nesta marcha do Porto.  À Lusa, a presidente da AMPLOS, Margarida Faria - cuja filha é homossexual e por isso decidiu iniciar o movimento - considerou que é urgente resolver a questão da parentalidade, condenando a discriminação a que as pessoas LGBT são sujeitas. Pedro Varela, que pela segunda vez participa nesta marcha, explica que esta ação "pretende sensibilizar as pessoas para o preconceito que as pessoas LGBT tem vindo a sofrer" em Portugal. "Já foi aprovado na Assembleia da República o casamento entre pessoas do mesmo sexo mas ainda existem várias reivindicações por resolver como a questão da adoção e da parentalidade para as pessoas que já têm filhos. Existe todo um conjunto de direitos para as pessoas transexuais que ainda estão por saldar", disse.

                   

 

A Bola - Porto: Centenas de pessoas na 5ª Marcha do Orgulho Gay

 

Algumas centenas de pessoas juntaram-se, este sábado, na Praça da República, no Porto na 5ª Marcha do Orgulho LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais). O objectivo era celebrar a mais recente conquista do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo e reivindicar outros direitos como a parentalidade, a adopção, a igualdade de género e a luta contra a discriminação.

 

Esquerda.net - Mais de 2 mil pessoas na 5ª Marcha do Orgulho LGBT

Jornal SOL - As conquistas passadas e as lutas futuras em marcha LGBT no Porto

Agência LUSA/ Diário Digital - Marcha LGBT celebra casamento homossexual e reivindica adopção

Agência LUSA / Jornal i - Marcha LGBT celebra casamento homossexual e reivindica adopção

Agência LUSA / MSN Notícias - Marcha LGBT no Porto para celebrar conquistas deste ano e iniciar novas lutas

Rádio Voz do Neiva - Marcha LGBT celebra casamento homossexual e reivindica adopção

 

Mais fotos dezanove no Facebook.

2 comentários

Comentar