Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

O retrato da prostituição masculina em Espanha

O número de prostitutos de nacionalidade espanhola triplicou nos últimos três anos devido à crise económica, assegura Iván Zaro, que coordena a área de trabalhadores do sexo da Fundação LGBT Triángulo. Segundo o retrato da prostituição masculina em Espanha traçado pelo jornal El Mundo, a actividade é exercida maioritariamente por estrangeiros (75%). “A maioria exerce de forma autónoma e sem coacção, com quem querem, quando querem e de que forma querem, e muitos recusam clientes quando a situação económica o permite”, disse o mesmo responsável. Outra característica prende-se com o “estigma ligado à homofobia”. Num estudo feito em Madrid, 22,8% declarava-se homossexual, 30,7% heterossexual e 46,5% bissexual. A prevalência de sida entre os prostitutos era de 23%, enquanto no caso da população transexual que se prostituía chegava aos 37%. Em média, os prostitutos dedicam-se à actividade entre 18 a 20 meses, geralmente por necessidades económicas ou para manterem um estilo de vida alto.


 


Já segues o dezanove no Facebook?

2 comentários

Comentar