Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Fidel Castro assume responsabilidade pela perseguição de homossexuais em Cuba

Fidel Castro declarou ser responsável pela perseguição de gays nos anos 60 e 70 em Cuba. O antigo presidente afirmou esta semana em declarações ao jornal Mexicano “La Jornada” ter havido momentos de “grande injustiça” contra a comunidade gay, admitindo que “se alguém é responsável, sou eu”. 


“El Comandante” desempenhou funções de primeiro-ministro de Cuba entre 1956 e 1976 e depois de chefe de estado entre 1976 até 2008, e acreditava que a diversidade sexual era uma consequência corrupta do capitalismo. Durante o regime, vários homossexuais foram enviados para campos de trabalho forçados para serem “reeducados” e para os libertar das suas “tendências contra-revolucionárias”.


Após uma ausência de quase quatro anos, naquela que é a sua primeira entrevista a um jornal estrangeiro desde Junho, o ex-líder cubano confessou que não prestava atenção ao problema da homofobia: “Naquele tempo tínhamos demasiados problemas, estávamos constantemente a ser sabotados e havia vários ataques armados contra nós.”


Nos últimos anos, Mariela Castro, sobrinha de Fidel e filha do seu sucessor, Raul Castro, encabeça o Centro Nacional para a Educação Sexual de Cuba e tem sido uma voz activa na campanha pela igualdade de direitos da comunidade LGBT, acesso ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e à cirurgia para redesignação de sexo.


Em Cuba as relações entre parceiros do mesmo sexo foram despenalizadas em 1979 e desde 2008 são disponibilizadas operações gratuitas para mudança de sexo através do sistema nacional de saúde cubano.

4 comentários

Comentar