Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

A minha experiência a bordo do cruzeiro gay

cruzeiro.jpg

dezanove.pt embarcou no sétimo cruzeiro gay anual organizado pela “La Demence”, a festa LGBT que atrai todos os meses milhares de gays da Europa Central até Bruxelas.

Contrariamente aos anos anteriores, o itinerário deste ano não regressa ao ponto de partida e faz-se em pleno Atlântico. Com Lisboa em pano de fundo e ao som da “Sail Away Party”, o majestoso Monarch deixou o porto de Santa Apolónia a 18 de Setembro pelas 19:00 com destino à Madeira, a primeira escala nesta aventura de 8 dias no mar. A bordo mais 2200 gays (lotação quase esgotada) e 800 tripulantes (muitos deles gays também). Nos cruzeiros La Demence, a grande maioria dos participantes vem de França, Bélgica, Holanda e Alemanha, mas existem outras 80 nacionalidades a bordo e há de tudo: ursos, drags, novos, maduros, twinks, bombados, “fashion victims” e fetichistas. Mais de metade dos participantes registaram-se como solteiros – alguns literalmente sozinhos, outros integrados em grupos de vários amigos; alguns em busca de sexo puro e duro; outros esperando encontrar alguém especial e outros ainda vão sobretudo para se divertir, relaxar e/ou conhecer pessoas e os destinos onde o cruzeiro atraca.

cruzeiro gay.jpg

Tudo começa com a “Sail away party”: um momento excelente para quebrar “o primeiro gelo” entre todos os participantes, mas existem tantos momentos para fazê-lo que o difícil mesmo é escolher qual: existem os encontros “oficiais” para os solteiros no bar 360 graus, as mesas de jantar reservadas para os solteiros que queiram ficar sentados nessa zona, a festa “Where are you from?” onde todos levam algo que os identifique com o país de origem.

Como seria de esperar, o Monarch tem um ginásio bem apetrechado com uma vista panorâmica fenomenal que funciona simultaneamente como ponto de encontro e como ponto de paragem obrigatório para todos os que queiram manter a linha durante a viagem.  O spa a bordo oferece tratamentos de beleza, massagem, acupuntura, entre outros.

A sensação que se tem neste cruzeiro é de total liberdade: podemos ser quem quisermos, incluindo a uma versão mais autêntica, divertida e ousada de nós mesmos! Este cruzeiro é mesmo uma oportunidade única para experimentarmos, para nos soltarmos e para transformarmos fantasias ou imaginações em pura realidade. No meu caso, nunca tinha andado de sapatos de salto alto nem ido a uma festa fetiche – experiências que adorei e repetirei.

E tudo neste cruzeiro foi pensado para nós e isso nota-se em todos os pequenos e grandes detalhes: por exemplo, o pequeno-almoço está disponível entre as 7 da manhã e as 3 da tarde; nas cabines, os canais de TV disponíveis gratuitamente incluem dois canais porno e um canal com filmes LGBT; existe também um zona inteiramente nudista e a loja do barco tem produtos 100% gays – desde poppers a dildos, encontra-se um pouco de tudo. Se é verdade que existe alguma formatação nas festas temáticas, não existe nenhuma obrigação; se é verdade que a energia sexual é muito elevada, também é possível participar nas aulas matinais de ioga, cantar no karaoke ou participar nos inúmeros eventos criativos e variados preparados pela organização – como o “talent show”, a maratona dos saltos altos, o lançamento de carteira, o concurso Mr. Gay Cruise e o concurso Mrs. Drag Cruise. E depois temos as escalas quase diárias em portos variados com múltiplas opções de excursões individuais ou de grupo que permitem “desligar” do barco, aproveitar os destinos visitados e conhecer também alguns dos participantes num ambiente diferente.

Obviamente também é possível conhecer o destino individualmente, mas atenção para não acontecer o mesmo que ao Christian de Malta: ele e mais dois amigos desembarcaram na ilha da Madeira para passear e “perderam-se”; depois de alguns anúncios a bordo, rumamos para a ilha de La Palma sem eles e cada um teve de gastar 850euros e dispender muito tempo para fazer Funchal-Lisboa-Madrid-Gran Canaria-La Palma e assim juntarem-se ao barco novamente no dia seguinte!  

 

Acede a todas as fotos do cruzeiro gay neste álbum 

 

Pedro Castro

 

Publicidade:

 

1 comentário

Comentar