Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

A morte do adolescente espancado que está a chocar o Brasil

 

 

brasil.jpg

Peterson de Oliveira, de 14 anos, morreu na tarde desta segunda-feira, dia 9, em São Paulo. O adolescente estava em coma desde a semana anterior após se envolver num confronto à porta de uma escola pública.

Peterson foi alegadamente agredido por ser filho de um casal de homossexuais. Márcio Nogueira, um dos pais, contou ao site R7, que “não sabia que o meu filho sofria preconceito por ser filho de um casal homossexual (...) Estamos tristes e decidimos divulgar o que aconteceu para que isso não se repita com outras crianças”.

O irmão, de 15 anos, que frequenta a mesma escola, presenciou a agressão. A polícia confirmou que o jovem se envolveu num confronto horas antes de se sentir mal e precisar de ser levado da escola para o hospital.

A Secretaria Estadual de Educação e a Secretaria Estadual de Saúde negam a versão da família. Em nota, a Secretaria Estadual de Educação informou que não há nenhum registo de agressão no interior da unidade onde o adolescente estudava e que as imagens das câmaras de segurança estão à disposição das autoridades policiais. “A direcção da escola lamenta profundamente" a morte do aluno, "que estudava na unidade desde os seis anos e participava activamente nas actividades extra-curriculares (...) Todo o apoio está a ser prestado aos familiares", referiu a escola. Já a Secretaria Estadual de Saúde confirma que o adolescente deu entrada na quinta-feira, dia 5, no Hospital Regional de Ferraz de Vasconcelos com uma paragem parada cardio-respiratória. Os exames efectuados verificaram que Peterson teve uma hemorragia, mas não apresentava sinais externos de violência física. O pai informou que pretende processar o governo de São Paulo: “Queremos que seja feita justiça”.

 

Luís Veríssimo