Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Como o arco-íris coloriu as ruas de Copenhaga durante o Festival da Eurovisão

Durante a última semana Copenhaga acolheu o Festival Eurovisão da Canção. Um pouco por toda a cidade decorreram festas LGBT incluindo um pré-arraial chamado Eurovicious no Largo Radhuspladsen. A colorida bandeira do arco-íris irrompia os dias cinzentos em vários estabelecimentos no centro da cidade lembrando que os visitantes LGBT que vêm para a Eurovisão que são bem-vindos em Copenhaga.                       

Na sexta-feira, 9 de Maio, a Praça do Município mudou de nome. Passou de Radhuspladsen (Praça do Município) para Regnbuepladsen (Praça do Arco-Íris).

 

 

 

 

 

O presidente da Câmara Municipal de Copenhaga, Morten Kabell, referiu que esta iniciativa pretendia promover Copenhaga como uma cidade de inclusão e diversidade. Com frio, chuva moderada, ambiente animado e um espectáculo de travestismo realizou-se a inauguração. E assim se mudou o nome da Praça do Município para Praça do Arco-Íris com a inerente visibilidade e desinibida representação LGBT.

 

Lars Henriksson, o representante da Comitiva do Orgulho LGBT em Copenhaga e entidade organizadora do evento Eurovicious disse ao dezanove.pt  que há muito tempo que a cidade está empenhada no apoio à comunidade LGBT e que queria fazer algo para mostrar a sua vontade de visibilidade, representação e inclusão. "Depois de muito debate decidimos representar a comunidade LGBT através do símbolo mais alegórico e abrangente possível: o arco-íris. Num país onde os políticos a mais alto nível são bem vistos quando participam na Marcha do Orgulho LGBT da cidade, tomar esta iniciativa fez todo o sentido. “Ouve-se falar muito de discurso de ódio, mas em contrapartida isto é discurso de amor”, resumiu Lars Henriksson.

 

Ricardo Duarte em Copenhaga