Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Como o futebol ajuda a quebrar barreiras

No passado Sábado teve lugar em Lisboa o 2º Torneio de Futsal contra a Discriminação, organizado pela associação  de jovens LGBT, rede ex aequo. Pelas 10 horas da manhã juntou-se um grupo de mais de 20 jovens com o objectivo de quebrar barreiras através da actividade desportiva.

O evento iniciou com uma pequena introdução de Joana Vilela, da Associação Cais, que explicou como o futebol é utilizado em vários bairros portugueses como forma de integração na sociedade. Ana Paulos, da Associação Nacional de Futebol de Rua, explicou como através do futebol se pode trabalhar questões como: comunicação, gestão de conflitos, igualdade de direitos, auto-estima, trabalho de equipa, entre outros. Ana explicou ainda que normalmente não existem árbitros nestes jogos, precisamente para que exista fair-play e que sejam os intervenientes a tomar decisões e desenvolverem capacidades cognitivas e, principalmente, sociais.

A associação ILGA Portugal também esteve presente, através do seu programa MOVE – Núcleo de Desporto, fazendo-se representar com duas equipas. No total estavam 5 equipas em competição, desde grupos informais de futsal até pessoas que não jogavam futebol há vários anos, com o objectivo de dar visibilidade à desigualdade de género, homo/bi/transfobia, xenofobia e racismo no futebol.

Este evento está inserido numa campanha europeia da Fare Network que, durante este mês, junta grupos de trabalho em mais de 40 países para lutarem contra a discriminação e celebrarem a diversidade através do futebol. “Esperam-se mais de 2000 actividade, e o movimento Football People continua a crescer, contando com o trabalho de associações como a rede ex aequo, de modo a expandir as actividades realizadas” diz Piara Powar, Directora Executiva da Fare.

 

André Faria

4 comentários

Comentar