Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

DIAP investiga alegada agressão de Beauté a Luís Borges

pjimage (32).jpg

 

O Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa abriu um inquérito para analisar o caso de alegada violência conjugal descrito por Eduardo Beauté no Facebook.

 

A informação foi confirmada pelo jornal Expresso junto da Procuradoria-Geral da República. Eduardo Beauté tinha relatado no Facebook um episódio de agressões que ocorrido durante um encontro com o ex-marido Luís Borges, em casa do cabeleireiro. "Levantei-me e dei-lhe uma surra que lhe deixou algumas marcas físicas, mas nada de grave e, ainda assim, nenhuma lhe doeu mais do que a violência verbal de que fui vítimas ao longo de cerca de três anos", escreveu Eduardo Beauté naquela rede social. O post, que teve elevada repercussão nas revistas do social, foi entretanto apagado.

No Facebook, Eduardo Beauté descrevia, em pormenor, o episódio. "Há umas semanas ele veio até minha casa, trazido por duas amigas nossas para tentar que tivéssemos uma conversa amigável e saudável (…) O clima estava tenso, as nossas amigas decidiram retirar-se para nos deixarem a sós (…) Não passou muito mais de um minuto que a conversa descambasse, porque o Luís partiu logo para a agressão verbal, como já vinha sendo hábito há cerca de três anos, essa foi talvez a maior razão do nosso divórcio (…) Começou por me chamar de bipolar, mentiroso compulsivo e que eu recebia homens para dormir comigo na frente dos meus filhos. O que de todo não corresponde à verdade, em hipótese alguma isso poderia acontecer, pois o respeito pelos meus filhos está acima de tudo. Foi aí que eu perdi o controle em mim (…) Levantei-me e dei-lhe uma surra que lhe deixou algumas marcas físicas, mas nada de grave", continuou. Eduardo Beauté ressalvava que as agressões tinham acontecido enquanto os filhos dormiam “afastados e sem a possibilidade de presenciar tal cena”.

A violência conjugal é um crime público, pelo que não necessita de queixa para que as autoridades investiguem o caso. Este é um de vários episódios do conflito entre Beauté e Luís Borges, alimentado por posts no Facebook.