Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Eles acamparam dois meses à espera de Beyoncé e isso deu um filme (com vídeo)

wAINTING.jpg

 

Dois meses na fila para um concerto de pouco mais de hora e meia. Um grupo de fãs que se conheceu na internet decidiu montar uma tenda frente ao estádio do Morumbi, em São Paulo, para assegurar um lugar em frente à entrada principal do concerto de Beyoncé da digressão Mrs. Carter World Tour, que passou pelo Brasil em 2013.

 

Nos dias que se seguem outros grupos montam mais quatro tendas. Ao todo 150 pessoas vão criando turnos entre si, resistindo ao calor escaldante, à chuva e ao assédio ocasional dos transeuntes. O relato é exposto no filme “Waiting For B.” que foi apresentado esta terça-feira no Queer Lisboa, integrando a competição de Melhor Documentário.

Presente no cinema São Jorge esteve Paulo César Todelo que, com a sua mulher Abigail Spindel, realizou o documentário. A ideia inicial era fazer um vídeo de 10 minutos para internet, mas depois a dupla optou por um registo mais longo com 71 minutos. “Não escolhemos fazer um filme sobre fãs da Beyoncé. Fiquei a saber que havia um grupo de fãs acampado à porta no estádio. É comum em São Paulo acampar antes dos shows mas não dois meses antes”, contou o realizador que descreve que os fãs de Beyoncé com que se deparou “já eram personagens de filme. Faltava era fazerem um filme sobre eles. Tivemos muita sorte. Se tivesse fazer um filme antes sobre a Lady Gaga, que fez lá um show, não seria tão especial. Eles foram muito receptivos desde a primeira vez que aparecemos. Mal chegamos percebemos que era esse o elenco. A dificuldade e o trabalho foi inserirmo-nos no acompanhamento até eles deixarem de fazer cena para a câmara. Eles faziam muito showzinho para a câmara. Com o tempo eles passaram a ignorar a câmara”, recorda o realizador. O filme, com muito humor à mistura, é também uma reflexão sobre a sociedade brasileira. Os fãs mais acérrimos de Beyoncé eram “negros, pobres e de periferia”, recorda Paulo César Toledo.