Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

ERC arquiva caso das cenas censuradas no canal Panda Biggs

haruka michiru.jpg

Após o corte do beijo entre as personagens Haruka e Michiru, que se alargou a outras cenas relacionadas com a identidade de género, a Comissão para a Cidadania e Igualdade de género apresentou uma queixa à Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC). No entanto, a ERC decidiu agora arquivar o processo.

Depois de alguns debates na internet sobre a suposta relação entre as duas personagens femininas da série Sailor Moon Crystal, veio a confirmar-se que elas não são primas (como foram apresentadas em algumas versões da série japonesa), mas sim namoradas. Pelos vistos, a aparência mais andrógina de Haruka e o seu gosto por “coisas de rapazes” como desporto e corridas de automóveis, são demasiado complexos para que crianças entre os 8 e os 14 anos as compreendam. Por esta razão, o canal Panda Biggs decidiu cortar as cenas que abordavam as temáticas de género.

Recorde-se que no final de 2016 o caso levou à apresentação de várias queixas junto da ERC, incluindo uma queixa por parte da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG).

Porém, a ERC entendeu que o corte dessas cenas nada tem a ver com discriminação relacionada com orientação sexual aceitando a justificação do canal Biggs: “tratou-se tão somente de uma apreciação de natureza editorial, que nada tem a ver com censura" acrescentando que as cenas cortadas eram desadequadas ao público-alvo.

Os queixosos consideraram na altura que estes cortes reforçam a “invisibilidade de expressões afectivas não-normativas”, salientando ainda que houve outras cenas de assédio sexual, em que um personagem masculino forçou um beijo a uma rapariga, e que estas foram transmitidas sem qualquer pudor.

 

Sofia Seno

Fonte: Público

1 comentário

Comentar