Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Eurovisão LGBT friendly: 5 músicas a que tens de prestar atenção

Netta Barzilai Eurovision Israel 2018

A Europa, e muito em especial a comunidade LGBT europeia, começa a mobilizar-se para assistir ao Eurovision Song Contest, o maior evento musical do planeta. Com mais de 200 milhões de espectadores anuais, o Festival da Eurovisão deu a conhecer ao mundo nomes como Abba, Celine Dion, Loreen, Conchita Wurst, Dana International e, claro, Salvador Sobral.

 

A semana da Eurovisão está quase aí a chegar. Se (ainda) estás fora destas andanças regista estas datas no teu calendário: primeira semi-final a 8 de Maio, segunda semi-final a 10 de Maio e final a 12 de Maio. Até lá ouve e vê estes temas seleccionados pelo dezanove.pt:

 

1. O nosso primeiro destaque vai para a canção da Irlanda, interpretada por Ryan O'Shaughnessy. O tema “Together” mostra-nos um videoclipe sobre uma bela história de amor nas ruas de Dublin. Ryan não esconde que é homossexual e recentemente esteve na discoteca Trumps para promover o seu trabalho. Será que os países mais conservadores vão votar neste tema? Vê o vídeo:

 

 

2. Saara Aalto. Uma voz conhecida na Europa e uma saída do armário recente contra os monstros e lastres que afectam muitos jovens LGBT. Tal como o irlandês, a finlandesa está à  procura de carimbar o passaporte da primeira semi-final (que se prevê bastante renhida) para final. "Monsters" tem estado a meio da tabela das casas de apostas, mas pode vir a tornar-se uma surpresa já que as votações escandinavas são, por tradição, bastante fortes.

 

 

3. Não há dúvidas que o tema de Israel é o mais mexido desta edição. Gostando ou não do cacarejar, as casas de apostas colocam o tema cantado por Netta Barzilai no topo. “Toy” é também o rei das visualizações no Youtube (já ultrapassou os 13 milhões de views). Com apenas 25 anos a jovem israelita defende uma música sobre o empoderamento feminino e o cacarejar inicial, fica a explicação, pretende simbolizar as vozes dos cobardes e dos haters. Quando esteve em Lisboa Netta não deixou de frequentar a movida lisboeta, passando como os dois cantores anteriores pela discoteca Trumps, que se afirma como o clube não oficial mais eurovisivo desta edição. Assiste ao hino feminista aqui:

 

 

4. Jessica Mauboy é um ícone da comunidade LGBT na Austrália (sim, Austrália… na geografia eurovisiva a Austrália faz mais parte do evento do que a barba da Conchita). A quarta representante da Austrália neste certame já participou no Mardi Gras e efectuou recolhas de donativos para a luta contra o VIH. O seu tema chama-se “We got love” e é um hino ao amor.

 

 

5. O tema o “Jardim”, composto por Isaura e interpretado pela voz calma de Cláudia Pascoal, é uma bela história de amor sobre aqueles que partiram, não esquecemos e serão sempre importantes para nós. Isaura é, desde o início da sua carreira, um ícone da comunidade LGBT em Portugal e promete uma carreira de sucesso. O britânico Telegraph coloca a balada portuguesa no top cinco das preferências. Nós, patriotismos à parte, também.

 

 

O site dezanove.pt está a promover um inquérito para perceber as preferências dos leitores da comunidade LGBT nacional e internacional sobre esta edição da Eurovisão. Deixa o teu voto online e fica atento à semana da Eurovisão no dezanove.pt.