Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Igrejas da Alemanha e da Noruega irão permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo

Germany Norway LGBT flag.jpg

As Igrejas Protestantes de Berlim e de Oberlausitz na Alemanha e da Noruega passarão a celebrar casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

 

A partir de 1 de Julho a Igreja Protestante de Berlim e da Alta Lusácia (Oberlausitz) na Alemanha irão começar a celebrar casamentos entre pessoas do mesmo sexo. O conselho desta igreja, que se reuniu no passado sábado, 9 de Abril, em Berlim, votou esta medida com 91 votos favor e 10 contra. Passando assim a ser a terceira Igreja Protestante da Alemanha a permitir o casamento religioso entre casais homossexuais. As igrejas das regiões de Hessen-Nassau e da Renânia (Rheinland) já realizam matrimónios religiosos entre pessoas do mesmo sexo. Segundo a imprensa alemã, durante o período de transição, que irá decorrer durante os próximos cinco anos, os pastores poderão recusar-se a celebrar os casamentos alegando objecção de consciência. Após esse período todos os casamentos irão ser permitidos.

 

Esta segunda-feira, 11 de Abril, foi a vez de a Igreja Protestante norueguesa de aprovar a celebração de casamentos entre pessoas do mesmo sexo. A proposta foi aprovada com 88 votos a favor em 115 delegados, numa reunião da assembleia da igreja que se reuniu em Trondheim, no sul do país. apesar da nova medida vir a ser aplicada em todo o país, não deverá ser adoptada formalmente antes de Janeiro de 2017 e permite que pastores e outros membros da igreja se recusem a celebrar os matrimónios alegando objecção de consciência. Contudo a decisão foi muito bem recebida: "Esta é uma mensagem dirigida à sociedade norueguesa, na qual decidimos que os homossexuais não devem ser tratados de forma diferente, mas também ao resto do mundo, e em primeira lugar às Igrejas: o amor entre duas pessoas do mesmo sexo deve ser reconhecido também religiosamente", comentou Gard Realf Sandaker-Nilsen, líder do movimento liberal Åpen Folkekirke (Igreja Aberta). Assim, toda a Escandinávia (Noruega, Suécia e Finlândia) passam a ter o matrimónio religioso entre pessoas do mesmo sexo.

 

Luís Veríssimo

2 comentários

Comentar