Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Justin Trudeau pediu desculpas à comunidade LGBTI do Canadá (com video)

Justin Trudeau.jpg

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, apresentou na passada terça-feira, na Câmara dos Comuns, as desculpas - há muito tempo em falta - aos membros da comunidade lésbica, gay, bissexual e transgénero.

"Hoje, apresentamos um pedido de desculpas - há muito tempo em atraso - a todos aqueles que nós, o governo do Canadá, injustiçamos. Lamentamos. Esperamos que, reconhecendo nossas falhas, possamos fazer progredir as pessoas LGBT tal como elas merecem no Canadá. Continuaremos a apoiar-nos mutuamente na nossa luta pela igualdade porque sabemos que o Canadá se fortalece cada dia que escolhemos abraçar a diversidade ", afirmou Trudeau.

Este pedido de desculpas de Trudeau deve-se à "opressão e rejeição sistémica patrocinada pelo Estado" e incluiu o reconhecimento da supressão de "valores e crenças indígenas de dois espíritos" e "abusar do poder da lei e fazer dos cidadãos criminosos”. Ao mesmo tempo, o governo introduziu uma legislação para expurgar os antecedentes criminais dos condenados que mantiveram relações sexuais consentidas entre pessoas do mesmo sexo. O Canadá despenalizou a homossexualidade em 1969, mas os registos dessas condenações ainda permaneciam activos. Um projecto de lei destinará 4 milhões de dólares canadianos (cerca de 2,6 milhões de euros) nos próximos dois exercícios fiscais para destruir esses registos criminais. 

trudeau.JPG

Trudeau também anunciou que foi alcançado um acordo para serem pagos cerca de 110 milhões de dólares canadianos (cerca de 72 milhões de euros) a antigos funcionários públicos e a militares que perderam os seus empregos por causa da sua orientação sexual. A proibição do serviço militar lésbico e gay neste país persistiu até 1992. 

A imprensa canadiana traz a público o caso de Martine Roy, na altura com 19 anos, que queria prestar serviço militar como assistente médica no exército. Quando foi interrogada pela primeira vez pelas Forças Armadas do Canadá  fizerm-lhe perguntas muito pessoais como: "Com quem dormiu?" e "Com que frequência faz sexo? "Fiquei exausta, assustada e senti-me humilhada. Naquele momento, perdi toda a minha auto-estima e respeito” referiu Martine, que passado ano e meio daquele interrogatório foi dispensada por causa da sua sexualidade.  

Assiste ao discurso emocionado de Justin Trudeau aqui: 

https://twitter.com/attn/status/937047746581741568

 

 

Foto: Alex Guibord

1 comentário

Comentar