Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Sobre a eleição de Trump: "Isto não é o fim do mundo – é apenas o fim de um mundo"

Luís Spencer Freitas.png

Quando me pediram para escrever um artigo sobre as eleições de ontem, por um breve momento quis dizer “não, obrigado pelo convite.” Estou deprimido, triste e desapontado com o resultado – o país decidiu que ter alguém que mente, ofende, pratica bullying e tem potencial de entrar em rotura com a comunidade internacional é melhor do que ter uma mulher em que não confiam. Continuo em choque com a falta de racionalidade e lógica do que aconteceu.

O processo para estas eleições esgotou o público americano – foram 2-3 anos de constante jogo político, com o Trump, a Hillary, o Bernie, o Ted, a Carly, o Ben, o Marco, entre vários outros guest stars que fizeram este longo processo parecer ainda mais longo. É como ver uma temporada de “House of Cards” que nunca mais acaba – e em não é necessariamente a pessoa mais inteligente ou capaz que ganha. Mas no final, como aqueles que trabalham em marketing sabem, é um jogo de awareness mais do que qualquer outra coisa. E Trump jogou essa carta muito bem durante os últimos anos. Acrescentemos a isto a fadiga do público e a história começa a ficar mais clara. Continua a ser irracional para alguém como eu, mas pelo menos começa a fazer algum sentido.

Esta manhã, quando estava a tirar o champagne do frigorífico que ia utilizar para celebrar a vitória da Hillary, comecei a pensar porque é que isto aconteceu – e, de repente, percebi: nem eu, nem os media, nem quase ninguém à minha volta conhece o average American. Quando falamos dos 15% da população que têm a educação necessária para compreender o que estava em jogo nesta eleição, ignoramos o facto que isto não é representativo da população geral. De repente, os media perceberam que não são representativos da população com quem falam – e isto é profundamente assustador. Isto significa que existe uma dissonância nos valores que acreditamos serem universais e os valores que imperam na mente do comum americano – mas que também imperam na mente do comum inglês (Brexit) ou outros casos que vemos pelo mundo. O pior aspecto sobre a eleição do Trump não é o Trump ser presidente: é o facto de que existem milhões de pessoas por todo o mundo que concordam com ele.

O pior aspecto sobre a eleição do Trump não é o Trump ser presidente: é o facto de que existem milhões de pessoas por todo o mundo que concordam com ele.

Nova Iorque não acordou feliz hoje. Aliás, a maioria do mundo não acordou feliz. Mas está na altura de aceitar e seguir em frente – os valores em que acredito continuam a ser os mesmos e a luta pela igualdade a todos os níveis possíveis continua. Vamos ver o que acontece nos próximos meses e tentar, o mais possível, trabalhar com o que temos. Acima de tudo, vamos manter um olhar vigilante. Mantenhamos um outlook positive e lembremos que a história é cíclica – construímos e destruímos, mas iremos continuar a sobreviver. Isto não é o fim do mundo – é apenas o fim de um mundo.

 

Artigo de opinião de Luís Spencer Freitas, digital director na Pernod Ricard USA, em Nova Iorque

1 comentário

Comentar