Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Mais de um terço dos homens pratica sexo com outros homens sem preservativo

Carlos Gustavo Martins dezanove Camisão.jpg

Nem sempre o que parece é. A divulgação dos resultados do maior inquérito do mundo para homens gay revela que homens que têm sexo com homens admitem, na percentagem de 37,2%, não ter usado preservativo. Uma percentagem relevante se pensarmos que basta apenas uma relação não protegida para que a transmissão de infecções aconteça.

Mas o estudo vai mais longe e relaciona vários factores que são individualmente, e na sua totalidade, importantes para percebermos onde nos encontramos no que diz respeito a estratégias de prevenção do VIH.

Uso de drogas recreativas, frequência de locais de encontro (como saunas, quartos escuros e festas de sexo) são factores importantes e que não podem (e a meu ver nem devem) ser descurados quando pensamos num assunto tão complexo como a sexualidade humana.

O uso de drogas recreativas está, aparentemente, relacionado com o descurar da prevenção. Da mesma forma que o uso inconsistente de preservativo também foi assumido como realidade por mais de um terço dos participantes neste estudo. 

O estudo em si não deixa de ser interessante, muito pelas respostas que são obtidas, mas acima de tudo pelas perguntas que podem surgir deste:

- Estaremos a descurar o uso de drogas recreativas num contexto de sexo ocasional?

- O avanço da medicina, que permite encarar a infecção por VIH uma doença crónica, confere de alguma forma a sensação de imunidade e que tudo está bem?

- Ainda estaremos presos a um estigma que foi transmitido no início da infecção e por filmes como, por exemplo, " Filadélfia"?

- O desconhecimento do estado serológio é medo ou falta de informação?

Estas são algumas das questões que surgem após uma leitura do estudo... e que levanta uma outra e mais importante. Que caminho tem a prevenção de seguir de forma a se tornar mais próxima, mais simples e, por isso mesmo, mais eficaz?

 

Até breve,

Play a lot, play hard, but play safe

Enfº. Carlos Gustavo Martins

 

Podes ler todos os resultados deste estudo aqui.