Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

"Manifesto Contrassexual" de Paul B. Preciado no Porto e em Lisboa

Paul B Preciado 1.jpg

O mais recente livro de Paul B. Preciado é lançado no Porto e em Lisboa. “Manifesto Contrassexual”, Edições Unipop, é o primeiro livro lançado em português de um dos autores mais influentes da actualidade em identidade de género, sexualidade e teoria queer. A apresentação do livro no Porto será no dia 23 de Outubro, às 18h, na Livraria Gato Vadio (Rua do Rosário, 281) haverá também um debate com Helena Lopes Braga e Pedro Feijó, investigadores e tradutores do livro, e com Ana Cristina Santos, investigadora. Em Lisboa a apresentação é no dia seguinte, 24 de Outubro, às 21h, na 49 da ZDB (Rua da Barroca, 49, Bairro Alto), onde também haverá um debate com os tradutores e com João Manuel de Oliveira (investigador). Antes da apresentação serão exibidos os vídeos ‘Solar Anus’ (1998) de Ron Athey e ´Here come the Ecosexuals´ (2015) de Elizabeth Stephens.

Paul B Preciado 3.jpg

Paul B. Preciado, nasceu Beatriz Preciado em 1970, em Burgos, Espanha. Escreve sobre sexo, o seu, e sexualidade, a sua, mas não só. É a fluidez, é o corpo cuja história é marcada pela sua filosofia: administra-se hormonas, deixa de se chamar pelo nome que os pais lhe deram, escreve sobre o que é o sexo e a sexualidade, desfaz-se enquanto Sujeito. Filósofo, nomeado recentemente curador da Documenta 14, lecciona na Universidade Paris 8 e é ainda autor de “Testo Yonqui” (2008), “El Terror Anal” (2009) e “Pornotopia” (2011).

Com um tom satírico e corrosivo, o livro traça a genealogia das tecnologias que criam a diferenciação sexual, demonstrando como a sua pretensa naturalidade é produzida por tecnologias sociais, políticas e somáticas. O sexo, diz-nos Preciado, não é a base fixa do género: é preciso olhar o corpo e vê-lo como construído; aí poderemos encontrar novos espaços de resistência. Um mix literário (juntando ilustração, exercícios, contrato social, análise literária, etc.), o ”Manifesto” segue as pegadas de Foucault, Wittig, Haraway, Deleuze e Butler, entre outras, para se tornar numa importante contribuição para o feminismo e uma política crítica. Esta é a primeira obra de Preciado editada em Portugal e uma óptima introdução à prática e teoria queer.

 

A entrada é livre.

 

Evento no Facebook do lançamento do livro no Porto.

Evento no Facebook do lançamento do livro em Lisboa.

 

Luís Veríssimo