Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Manual para a ILGA usar no próximo Arraial Pride

 opiniao Rodolfo Rodrigues.png

A ILGA Portugal é uma organização sem fins lucrativos. O Arraial Lisboa Pride organizado pela ILGA Portugal... foi uma desorganização e o único fim foi lucrativo. Fala-vos alguém que por alguns anos consecutivos caiu no erro de participar activamente no evento, como staff de estabelecimentos presentes, como membro de um público cada vez mais indignado com as escolhas da organização. Até já participei no Pride Lisboa como membro da ILGA, sem saber. Fotografei há uns anos o evento para um bar no Bairro Alto, um dos bons bares que participava no Arraial. Uns dias depois tinha as minhas fotografias republicadas por alguém da ILGA como se eu fizesse parte da organização. Foi um prazer, e de nada!

Neste último Arraial estive quase para lhes limpar as casas de banho, mas não tinham luvas de latex. Aprendi algumas coisas ao longo destes poucos anos em que participei no evento. Por exemplo, para o ano vou levar uma algália, para não ter que usar os lavabos. Não percebo como é que eles – a ILGA – não aprendem com tantos anos de Pride. Depois de o evento terminar, e como é habitual todos os anos, faço um "scroll down" nas páginas de Facebook das pessoas e entidades que se envolveram, desde a da organização ao Sr. Acácio, que começou o dia a limpar os copos de plásticos perdidos na Praça do Comércio levados pelo vento e a tentar chegar ao Tejo. O que li este ano não foi agradável. Nada agradável. De há quatro anos para cá que assisto ao mesmo e parece que não é desagradável para a organização ler as opiniões que lhes são dirigidas. Até porque no ano seguinte cometem exactamente os mesmos erros.

Quando o meu pai me dizia para não pintar as paredes, se eu voltasse a fazê-lo no dia seguinte, ele tirava-me os lápis por uma semana. Se eu os encontrasse e fosse pintar novamente, o castigo aumentava, até eu aprender a lição. Mas ano após ano ainda ninguém tira os lápis à ILGA e ela continua a escrever uma história de terror num livro destinado a arco-íris, unicórnios e direitos humanos. Esse livro chama-se: "Arraial Lisboa Pride".

Vamos começar pelo significado da palavra arraial: ar·rai·al (origem controversa) substantivo masculino 1. Acampamento. 2. Festa popular ao ar livre, geralmente com música, comida e bebida (ex.: os arraiais começam no próximo mês). 3. [Informal] Grande quantidade (ex.: levou um arraial de pancadaria). 4. [Brasil] Pequena aldeia. = Aldeola, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, 2008-2013. [consultado em 01-07-2016]

Arraial significa isso mesmo: "Festa popular ao ar livre geralmente com música, comida e bebida". Para o Arraial ser bom convém ter boa música, boa comida, boa bebida. "Pride" vem acrescentar animação ao conceito e visa celebrar o orgulho que hoje a comunidade LGBT pode – e deve – sentir depois de tantos anos reprimidos por uma sociedade violenta e opressora. Deve celebrar-se com alegria e animação, sublinhando a chegada de uma liberdade que vem aos poucos e começa finalmente a ser respeitada. Deixo então aqui uma pequena lista que talvez possa ajudar a organização a conseguir fazer jus ao nome que lhe dá! É este o manual para a ILGA usar no próximo Pride:

  1. Um bom artista não faz, por si só, uma boa festa - e temos que saber adaptar o tipo de artista ao tipo de festa;

  2. Os discursos devem existir: sem exagerar, não prolongar, serem breves e instrutivos. Este ano os discursos dos representantes da organização foram bem escritos, tinham uma mensagem positiva e celebravam o orgulho, mas foram maçadores e acabaram por se tornar desinteressantes, sendo que as mensagens acabaram por se perder nas frases seguintes;

  3. Momentos sem música - e com discurso - devem ser ainda mais breves. As pessoas - heteros, gays, humanos - vão para o Terreiro do Paço para se divertirem;

  4. Melhor diálogo entre a organização e os comerciantes. Coisas bem definidas e bem combinadas são meio caminho para facilitar o funcionamento de um evento. Um contrato redigido não implica que esteja tudo explicado;

  5. A ILGA, com aquilo que cobra aos comerciantes, poderia disponibilizar mais espaços sentados ao redor das tendas de venda de comidas e bebidas. Um evento com uma duração de 12 horas pede um cantinho para sentar;

  6. A própria organização deve posicionar estrategicamente os locais de comida para facilitar a acessibilidade e mobilidade do público no evento. Ainda que as tendas sejam sorteadas, tendas de venda de comida deveriam estar estrategicamente posicionadas;

  7. A ILGA não é uma super heroína de um livro de banda desenhada, não ajam como tal. Fica mal ver uma organizadora vestida de Capitã América que não consegue nem ajeitar uma coluna. E fica mal ver o Homem de Ferro ao lado a ajudar na Guerra Civil. Foi uma confusão de super heróis e no fim já só se viam Homens Aranhas a trepar paredes por não saberem o que fazer;

  8. A ILGA tem capacidade para uma maior e melhor promoção do próprio evento bem como dos espaços envolvidos. O Arraial não deve ser visto como uma luta de espaços por mais clientes, mas sim de uma união de espaços em prol de uma comunidade bem servida, alegre, dançante. Deve-se promover o melhor funcionamento e colaboração entre entidades envolvidas;

  9. Quando algum representante da ILGA vier proibir a venda de uma cerveja pequena às 15h48, lembre-se de olhar para a esplanada ao lado onde estão quatro estrangeiros nórdicos a beber imperiais XXL. Se a ILGA quer proibir a venda dos produtos antes do horário oficial de abertura deve arranjar uma forma de fazer parecer que os espaços se encontram ainda encerrados. A venda ambulante de produtos e das lojas de artesanato foi permitida a partir das 14h27, hora a que comprei uma lembrança para levar para a minha avó que está sozinha no Norte. ILGA, se pretendem que a regra se cumpra, espero que o façam justamente para todos os espaços sem excepções.

  10. Não vos custa nada imprimir mais umas pulseirinhas para que o staff das tendas de venda vá à casa de banho! Afinal são eles que estão a trabalhar para vos pagar o evento! Os meninos estão 12 horas a trabalhar e têm que ir para uma fila de meia hora?

     

    Para terminar, se precisarem que organize o Arraial Pride para o ano avisem com tempo para ver se consigo fazer a Marcha e o Arraial no mesmo dia. É chato as pessoas andarem por Lisboa no dia da Marcha e depois não terem uma festa a condizer! Boa sorte para o ano e votos de um bom trabalho.

     

Rodolfo Rodrigues, barman, designer e fotógrafo

 

15 comentários

Comentar