Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Marcha pelo fim da violência contra as mulheres em Lisboa

Marcha pelo Fim da Violência Contra as Mulheres - foto: Inês Costa Monteiro

Realizar-se-á esta sexta-feira, dia 25 de Novembro, a 6.ª Marcha pelo Fim da Violência Contra as Mulheres. Várias organizações convocaram a marcha que partirá da Praça do Comércio, pelas 18h00, em direcção ao Rossio, em Lisboa.

 

Sob o mote “Pela eliminação da violência contra as mulheres, quebra o silêncio!” várias associações de defesa dos direitos das mulheres vão percorrer as ruas da capital para alertar para a violência doméstica e desigualdade de género. As associações apelam a que mais pessoas se juntem a esta marcha.

Em comunicado enviado às redacções pode ler-se que “o combate à violência contra as mulheres é uma responsabilidade colectiva. O envolvimento de todas e de todos é fundamental para combater as causas desta violência, eliminar todas as discriminações que a potenciam como o sexismo, a lesbofobia, o racismo e a xenofobia, entre outras, e promover a transformação das mentalidades que ainda legitimam socialmente os actos de violência contra as mulheres”.

As 16 associações subscritoras onde se incluem, por exemplo, a UMAR, a Capazes ou Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres, denunciam a violência contra as mulheres como um atentado aos direitos humanos e exigem investimento na prevenção e na intervenção primária para a construção de uma cultura de prevenção da violência contra as mulheres, de combate ao sexismo e de efectiva igualdade de género; financiamento para permitir apoiar as vítimas de violência sexual; promoção de uma intervenção não sexista e mais eficaz da Justiça para que as vítimas de violência doméstica e de violência de género não sofram uma dupla vitimização.

 

Paulo Monteiro

Foto: Inês Costa Monteiro

Recorda a edição do ano passado num trabalho fotográfico de Inês Costa Monteiro aqui.