Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Militar brasileiro vai casar de farda com o seu companheiro

 

soldado gay brasil casamento.jpeg

O caso não é inédito a nível mundial. Em 2015, aqui ao lado, em Espanha, Chema e Jonatan, dois homens da Polícia Nacional casaram utilizando o traje oficial da Real Escola de Polícia. No próximo mês de Dezembro será a vez de Miguel Martins e Diego Souza, de 29 e 21 anos, respectivamente. 

 

Miguel é soldado da Brigada Militar brasileira e deverá ser o primeiro homossexual assumido a casar de farda no Brasil. A prática é comum em casamentos militares e sempre foi o sonho de Miguel, que trabalha na cidade fronteiriça de Uruguaiana.

Martins integra o 1º Batalhão de Patrulhamento de Áreas de Fronteira (1º BPAF) e o Comando da corporação autorizou o uso do fardamento de gala no dia em que formalizará a união com o modelo Diego Souza. O comandante deu parecer favorável ao requerimento, dizendo que não há nada que impeça o soldado de se casar com outro homem usando farda.
“Desde muito jovem eu tenho o sonho de me casar fardado. Eu tenho os mesmos direitos que os heterossexuais, que meus colegas que casam de farda”, afirmou Miguel Martins à imprensa.
Apesar deste desejo, o soldado disse que casar de farda inicialmente não estava nos planos para evitar críticas. “Diego e eu pensamos num matrimónio mais simples, no cartório e depois uma festa num clube. Depois do nosso noivado, a repercussão nas redes sociais foi grande e positiva, mas as críticas nos motivaram também”, explica.
O próximo passo é receber o aval das patentes superiores, que já se manifestaram a favor segundo o noivo.
“Não estou denegrindo a imagem da Brigada Militar. Pelo contrário, quero mostrar que a Brigada Militar respeita os direitos dos cidadãos e dos membros da corporação” afirmou o soldado.
Miguel disse que não sofreu preconceito por parte dos colegas, mas que nas redes sociais já leu comentários depreciativos por parte de conhecidos.
“As críticas, em vez de nos diminuir, nos enfraquecer, nos dão mais vontade ainda, mais força para seguir na nossa decisão”, destacou.
A cerimónia está marcada para dia 23 de Dezembro.