Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Nuno Pinto assumirá presidência da ILGA Portugal

Nuno Pinto ILGA Portugal.jpg

A próxima direcção da associação ILGA Portugal será encabeçada por Nuno Pinto, investigador e formado em Psicologia. O secretário da actual direcção sucederá assim a Isabel Advirta, a primeira mulher que esteve aos comandos da associação nos últimos dois anos.

 

Nuno Pinto está ligado à associação há 11 anos e foi responsável, entre outros projectos, pela coordenação do extinto GRIP (Grupo de Reflexão e Intervenção do Porto), presidiu ao Conselho Fiscal e coordenou as iniciativas “Saúde em Igualdade” e “A lei de identidade de género: impactos e desafios da inovação legal na área do (trans)género”. É ainda consultor da associação internacional ILGA Europe no projecto Health4LGBTI.

Nuno Pinto considerou na sua página de Facebook que “engana-se quem pensa que acabou o insulto, a discriminação, o silêncio, a invisibilidade, e o isolamento que assombram as nossas vidas, as vidas das pessoas lésbicas, gays, bissexuais e trans. O país mudou muito, graças à força e ao envolvimento de tantas e tantas pessoas, mas também ao (muito) trabalho da ILGA. Ganhámos, só agora, o direito a ter voz em pé de igualdade”.

As eleições são no próximo dia 8 de Novembro e há apenas uma lista candidata à Direcção. Juntam-se a Nuno Pinto os seguintes membros efectivos: Ana Aresta (vice-presidente), Hélder Inês (tesoureiro), Joana Cadete Pires (secretária) e Daniela Filipe Bento (vogal). Os cinco elementos suplentes da próxima direcção bienal serão João Valério, Rita Oliveira, Nuno Gonçalves, Teresa Amor e Pedro Carreira.

A ILGA foi fundada em 1995 e apresenta-se como “a mais antiga associação de defesa dos direitos de lésbicas, gays, bissexuais e transgénero em Portugal, sendo totalmente apartidária e laica”.