Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

O direito à adopção é levado às ruas da Invicta este Sábado

"Há nove anos atrás na cidade do Porto, Gisberta Salce Junior, mulher transexual, foi vítima de um crime de ódio. Durante três dias foi torturada, e no final, quando já poucas forças lhe restavam, foi atirada a um poço. Para a justiça portuguesa, Gisberta morreu afogada, e a culpa foi da água." assim começa o comunicado da comissão organizadora da 9ª Marcha do Orgulho LGBT do Porto (MOP).

Os activistas do Porto consideram que "em pleno século XXI, a homofobia, bifobia e transfobia continuam a matar". Depois de terem saído à rua pela primeira vez em 2006 a MOP considera que ainda existe uma longa luta pela frente no que diz respeito à conquista de liberdades e direitos fundamentais básicos das pessoas LGBT: "Portugal é o único país no mundo em que é possível o casamento entre pessoas do mesmo sexo e em que lhes é negada o acesso à adopção plena. O direito à família é um direito constitucional, não abdicaremos dele."

 

O direito à adopção. O direito à família 

Em Maio de 2013, na Assembleia da República, foi dada uma esperança a algumas famílias LGBT impedidas de ver reconhecidos os seus direitos de
parentalidade através do projecto de lei da co-adopção. Após um ano de debate na praça pública, ficamos a saber que há ainda quem pense que se podem referendar direitos de minorias. Não aceitamos que se coloque em dúvida a legitimidade de direitos fundamentais. Nenhuma família é ilegal.

O chumbo do projecto de lei da co-adopção, em Março deste ano, foi mais um acto discriminatório de negação dos direitos fundamentais consagrados na Convenção Europeia dos Direitos Humanos – o artigo 14 (proibição da discriminação) em conjugação com o artigo 8 (direito ao respeito pela vida
privada e familiar). Recordamos que a Áustria foi condenada pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, no ano passado, por ter recusado também a lei da co-adopção. Não aceitamos que se perpetue a negação do direito à felicidade destas famílias!

O comunicado remata com um apelo que ecoará seguramente nas ruas da Invicta este Sábado: "Com os filhos pela mão, a lutar pela adopção!"


Ponto de encontro: 28 de Junho, pelas 15:30h na Praça da República

Acompanha a Marcha do Porto através do dezanove e da hashtag #orgulho2014