Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

O vestido dos países que nos perseguem

Ashlynn Danger Danielsen & Amsterdam Rainbow Dress Foundation

Mais de um terço dos países do mundo têm legislação anti-LGBTI.  Entre listagens, notícias e iniciativas que denunciam estas situações há uma que aconteceu mesmo aqui ao lado. Durante a Semana do Orgulho LGBTI de Madrid foi apresentado, no Museu do Prado, um vestido que representa os países onde as pessoas LGBTI são perseguidas.

 

A visitadíssima sala do Museu do Prado, onde se encontra a emblemática obra “Las Meninas” de Velázquez, foi um dos cenários para uma sessão fotográfica que pretende alertar para a violação dos direitos humanos no mundo. O vestido foi desenhado pelo estilista holandês Mattijs van Bergen e é composto por bandeiras de 75 países onde ser LGBTI é ilegal.

Para além do Prado, houve outra sessão fotográfica em frente ao Palácio Cibeles durante a manifestação do Orgulho que reuniu mais de 700 mil pessoas na capital espanhola.

Desde 2016, a Fundação Amsterdam Rainbow Dress tem procurado alertar consciências para a homofobia e transfobia no planeta. O vestido arco-íris já foi fotografado junto ao Rijksmuseum, em Amesterdão, na Câmara de San Francisco e no Parlamento Europeu. Nas sessões colaboram habitualmente fotógrafos e modelos LGBTI.

A iniciativa deste holandês também vai mudando com o tempo. Sempre que um país revogar a legislação anti-LGBTI, a bandeira do país é substituída por uma bandeira do arco-íris. 

Neste momento a obra de arte mede mais de 16 metros de diâmetro e contém 75 bandeiras nacionais, uma bandeira do arco-íris (em vez da bandeira do Belize) e um corpete feito com bandeira da cidade de Amsterdão. Este corpete sublinha a necessidade que esta cidade e os Países Baixos, dada a sua herança de liberdade e progressismo, permaneçam abertos, conscientes e receptivos aos refugiados LGTBI.

As fotografias da Fundação Rainbow Dress Amsterdam são depois usadas em exposições e workshops nacionais e internacionais para divulgar a situação das pessoas forçadas a se deslocarem devido à sua orientação sexual ou identidade de género.

 

 

Crédito da foto:  Ashlynn Danger Danielsen & Amsterdam Rainbow Dress Foundation

 

2 comentários

Comentar